Sudoeste Notícias


  • Polícia Federal desmonta esquema de desvio de verbas em Anagé

    Foto: Divulgação | Polícia Federal
    Foto: Divulgação | Polícia Federal
    03/05/2018 - 07:30

    A Polícia Federal e a Controladoria Geral da União deflagraram nesta quinta-feira (3) a Operação Desconstrução contra um esquema  de desvio de recursos públicos destinados às áreas da educação e saúde na cidade de Anagé, no sudoeste baiano. De acordo com a PF, 30 agentes e seis auditores da CGU cumprem nove mandados de busca e apreensã e 16 mandados de intimação em Anagé, Tanhaçu, e Vitória da Conquista. A operação decorre de uma investigação iniciada em 2015, a partir de denúncia de vereadores da cidade sobre atividades irregulares de três falsas construtoras da região que, em conluio com o Poder Público municipal, venceram, quase que simultaneamente, oito licitações de obras de melhorias sanitárias, escolares e da área de saúde, desviando esses recursos públicos obtidos sem concluir as obras contratadas. Ao longo das investigações, foi apurado que essas empresas, vencedoras de licitações recorrentes, serviam apenas de “fachada” e que, na verdade, não havia concorrência nenhuma. Foi constatado que, entre os anos de 2013 e 2015, a organização criminosa obteve contratos da ordem de R$ 3.791.322,49. Uma das licitações chegou a ser cancelada porque o vencedor não era um dos integrantes da tríade. O Município de Anagé também foi selecionado neste ano para ser fiscalizado pela Controladoria-Geral da União, por conta da 5ª edição do Programa de Fiscalização de Entes Federativos, cujo escopo abrangeu os recursos federais destinados para obras, bem como para as áreas de saúde e educação. Em relação às obras fiscalizadas, apurações preliminares da CGU apontam para a ocorrência de superfaturamento pelo pagamento por serviços que não foram executados, além da não entrega, por parte da Prefeitura, da documentação solicitada pelos auditores. Os envolvidos responderão pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, desvio de recursos públicos e fraude à licitação.