BUSCA PELA CATEGORIA "ECONOMIA"

  • Petrobras anuncia novo reajuste no preço do diesel em vigor a partir de terça

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    09/05/2022 - 10:30


    O custo do combustível terá um aumento de cerca de R$ 0,40 por litro

    ECONOMIA

    - A Petrobras anunciou, nesta segunda-feira (9), um novo reajuste no preço de venda do diesel para as distribuidoras. O aumento já valerá a partir de terça-feira (10). A venda do diesel puro terá um aumento de R$ 0,40, saindo de R$ 4,51 para R$ 4,91 o litro para as distribuidoras. Já a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel para a composição do diesel comercializado nos postos, a variação será de R$ 0,36 por litro. Passará de R$ 4,06, em média, para R$ 4,42 a cada litro vendido na bomba. "Com esse movimento, a Petrobras segue outros fornecedores de combustíveis no Brasil que já promoveram ajustes nos seus preços de venda acompanhando os preços de mercado", diz o comunicado da estatal. Ainda de acordo com a empresa, o reajuste está ligado ao "desalinhamento nos preços" e à "elevada volatilidade no mercado". O último aumento havia sido feito há 60 dias.

  • Litro da gasolina sobe pela quarta semana seguida, diz ANP

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    06/05/2022 - 19:30


    Houve alta de 0,16%; desde janeiro, o avanço é de 9,37% nas bombas

    ECONOMIA

    - O preço da gasolina subiu pela quarta semana seguida, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP). O valor médio do litro passou de R$ 7,283, na semana passada, para R$ 7,295, nessa semana, marcando novo patamar médio recorde no varejo. É uma alta de 0,16%. Desde janeiro, o avanço é de 9,37% nas bombas. O preço máximo da gasolina vendida no Brasil voltou ao patamar histórico, de R$ 8,999 - em Santa Catarina. Já o diesel subiu pela terceira semana seguida, passando de R$ 6,61 para R$ 6,630.  Avanço de 0,3%. No ano, aumento é de 23,99%. A Petrobras não reajusta os preços do diesel e gasolina nas refinarias desde o dia 11 de março. Mas, nesta sexta-feira (6), presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, disse que a empresa vai continuar seguindo os preços de mercado como forma de gerar riqueza para a sociedade e evitar o desabastecimento.

  • Representando quase 10% do salário mínimo, gás explodiu orçamento de brasileiros

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Jornal da Metropole

    05/05/2022 - 10:30


    Preço do gás de cozinha atingiu a média de R$ 113,48, patamar mais elevado dos últimos 15 anos

    ECONOMIA

    - Uma atividade básica da rotina de qualquer casa tem feito, nos últimos meses, os brasileiros passarem aperto. Cozinhar ficou caro não só pelo aumento no preço dos alimentos, mas principalmente pelo valor do gás de cozinha. O botijão atingiu, em abril, quase 10% do valor do salário mínimo, tornando- se o preço mais alto desde o início deste século. Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), a média de preço do botijão de 13kg do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) no Brasil é R$113,48. O valor representa 9,4% do salário mínimo — patamar mais elevado desde 2007, ano em que o GLP custava R$33,06 e o salário mínimo era R$350. O aumento significativo não é novidade e já vem acontecendo sucessivas vezes nos últimos meses. Especialistas que acompanham os dados apontam um acumulado de cerca de 30% na Bahia nos últimos meses. Considerando o período de um ano, o preço do gás variou, para cima, em 27,5%. “A principal causa é o preço da matéria prima do gás, que é o petróleo. É um insumo que está em alta no mundo todo e que, necessariamente, impulsiona o valor de todos os seus derivados. O fato de ser um produto negociado internacionalmente, que tem seu preço em dólar e envolve conversão, também impacta”, explica o economista e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), Cleiton Silva. O professor destaca que o aumento do preço do gás (27,5%) pode ser medido quando comparado, por exemplo, com a variação da inflação. Mesmo alto, o índice da inflação nos últimos doze meses foi quase a metade da variação do preço do gás, atingido 12%, de 2021 a 2022. Os itens da cesta básica, sim, tiveram variação semelhante ao preço do gás. Aumentaram em 28% no último ano. Aliados, os dois têm tornado o ato de cozinhar mais desafiador. “São coisas que realmente afetam muito as famílias que vivem com um salário mínimo. Fica difícil cozinhar e isso reflete nos números. Já existem estudos que mostram que as famílias têm comido muito menos com o mesmo valor de salário do que em anos anteriores. Tem quem procure cozinhar menos vezes ou até procurar um substituto para o próprio gás, o que pode ser muito perigoso”, pontua Cleiton Silva, alertando para os riscos do uso de lenha e álcool, responsáveis por aumentar acidentes envolvendo queimaduras. EFEITO CASCATA - Se o preço do gás pesa para os consumidores domésticos, impacta ainda mais aqueles que têm na comida a sua forma de sustento. Quem trabalha cozinhando precisa buscar saídas para manter seus negócios funcionando. É o caso da empresária Hilza Hecket, que trabalha há seis anos vendendo quentinhas de comida caseira, e diz enfrentar o pior momento desde que começou a trabalhar na cozinha. “Está muito difícil. Já tive que repassar esse aumento várias vezes para o preço final dos clientes. Eles sentem, vem perguntar, questionar o aumento, mas não tem o que fazer”, conta. Segundo a empreendedora, o impacto com o preço do gás já vem sendo sentido desde o ano passado e se reflete no bolso. Se, na metade de 2021, o custo com gás era de R$ 500 mensais para a produção das quentinhas, a última conta de Hilza chegou a R$1.200 — um aumento de 140% em menos de um ano. Para manter o negócio, a chef de cozinha precisou apostar em outras estratégias. “Precisei mudar um pouco o cardápio. Tirar um pouco as coisas assadas, colocar mais frituras, mudar a quantidade mínima de alguns pedidos como pães, para não perder tempo de forno”, relata. A empresária precisou, inclusive, investir em um equipamento especial na cozinha para tentar conter os gastos com o gás. “Comprei um forno específico porque sirvo pizza no restaurante e preciso conseguir assar mesmo com o gás nesse valor”, diz. BAIANAS PASSAM APERTO - O aumento do GLP atingiu, também, as baianas de acarajé, patrimônio cultural imaterial do estado desde 2005. Sempre acompanhadas do botijão de gás em seus pontos de venda, elas pisaram no freio para suportar a aceleração dos últimos meses. Desde 1992 a baiana Dulce Marys, de 51 anos, é a responsável por gerir o ponto que antes era da mãe, na Praça da Sé. Na rotina da baiana, são cerca de 10 botijões de gás por mês e um custo que hoje ultrapassa os R$ 1 mil. “Eu não posso passar o aumento para os clientes senão não vendo nada. O movimento já tá fraco, então não tem como aumentar”, conta. Dulce segue vendendo seu acarajé a R$ 10, mas reduziu de 60 quilos de massa do bolinho para no máximo 40 quilos. O tamanho da frigideira também mudou para economizar azeite de dendê. “Tudo aumenta. Os produtos estão muito mais caros. Está muito difícil trabalhar”, reclama. LUZ NO FIM DO TÚNEL - Com a situação cada vez mais difícil, qualquer boa notícia representa um alívio. Dessa vez, a boa notícia veio do anúncio da redução no preço do botijão, válido desde a último dia 2 de maio. De acordo com o Sindicato de Revendedores de Gás da Bahia (Sindrevgás), o gás ficará entre R$ 4,00 a R$ 5,00 mais barato. A medida faz parte da política da Acelen, que opera a Refinaria de Mataripe, de rever os preços praticados a cada dia 1° do mês, podendo haver aumento ou diminuição no valor. Segundo o levantamento semanal da ANP, entre os dias 24 e 30 de abril, o botijão na Bahia era vendido, em média, por R$ 107,84. O valor mais caro do produto no estado foi de R$ 150 e o mais barato foi encontrado por R$ 92.

  • Preços da gasolina e do diesel sobem novamente, diz ANP

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    29/04/2022 - 19:00


    Gás de botijão ficou praticamente estável, porém, no ano o aumento está em 10,9%

    ECONOMIA

    - O preço da gasolina subiu pela terceira semana seguida, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP). O valor médio do litro passou de R$ 7,270, na semana passada, para R$ 7,283, nessa semana. Avanço de 0,17%. No ano, o aumento chega a 9,19%. Já o diesel subiu pela segunda semana seguida, passando de R$ 6,60 para R$ 6,61. É uma alta de 0,15%. Desde janeiro, o avanço ficou em 23,62%. Já o gás de botijão (GLP) ficou praticamente estável, em R$ 113,50. No ano porém, o aumento está em 10,9%.

  • Gás de cozinha: valor já custa quase 10% do salário mínimo e é o maior do século

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    27/04/2022 - 21:20


    Segundo dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP), o botijão foi vendido em média a R$ 113,24 na última semana

    ECONOMIA

    - O botijão de gás de 13 quilos já custa quase 10% do salário mínimo. Segundo dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP), o botijão foi vendido em média a R$ 113,24 na última semana, o equivalente a 9,3% do salário, que custa R$ 1.212 atualmente. Segundo o Observatório Social da Petrobras, na média mensal, organização ligada à Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), o preço do botijão chegou a R$ 113,48, alcançando o maior valor real da série histórica, que tem início em julho de 2001. De acordo com o G1, o valor é mais do dobro do auxílio gás pago pelo governo federal às famílias de baixa renda: previsto para bancar metade do preço de um botijão, o benefício hoje é de R$ 51 – 44,5% do preço médio. Segundo Ibeps, o gás de cozinha voltou a comprometer o salário mínimo na mesma proporção de 2007. “Nesses 15 anos, com a manutenção do preço do gás de cozinha e a valorização do salário mínimo essa proporção foi caindo, mas houve uma inversão em 2017 com a alta dos valores do GLP e o aumento real do salário mínimo. E em 2020, esse consumo já era 7% maior do que o de GLP”.

  • Aneel reajusta tarifa e conta de luz ficará 21,35% mais cara na Bahia

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    19/04/2022 - 13:00


    O reajuste da Aneel ocorre menos de uma semana após o fim da bandeira de escassez hídrica, que gerava um aumento de R$ 14,20 na conta do consumidor a cada 100 quilowatts-hora

    ECONOMIA

    A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou reajuste nas tarifas para o serviço de fornecimento de eletricidade. Os novos valores já serão válidos a partir da próxima sexta-feira (22). Com o reajuste, o consumidor residencial na Bahia pagará as contas cerca de 21,35% mais caras. O reajuste deve afetar mais de 6,3 milhões de clientes no estado, segundo a Coelba. A nova tarifa anunciada pela Aneel foi de 21,13%, porém, para clientes residenciais, que são de baixa tensão, o aumento é maior. Já os que consomem alta tensão, como indústrias e comércio, pagarão as contas 20,54% mais caras. A Coelba também informou que deste reajuste, 6,01% serão destinados à companhia. O reajuste da Aneel ocorre menos de uma semana após o fim da bandeira de escassez hídrica, que gerava um aumento de R$ 14,20 na conta do consumidor a cada 100 quilowatts-hora. 

  • Governo propõe salário mínimo de R$ 1.294 para 2023

    Foto:Reprodução | Agência Brasil Foto:Reprodução | Agência Brasil
    14/04/2022 - 19:00


    Correção do salário mínimo é feita com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor

    ECONOMIA

    - O salário mínimo em 2023 deve ser de R$ 1.294, de acordo com projeção do governo no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), enviado ao Congresso nesta quinta-feira (14). Assim como tem ocorrido nos últimos anos, esse número pode mudar até a aprovação do Orçamento para 2023, a depender do andamento da inflação em 2022. A correção do salário mínimo é feita com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

  • Governo anuncia fim da tarifa extra para consumidores de energia

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    07/04/2022 - 06:00


    Conta de luz não terá cobrança extra a partir do dia 16 de abril

    ECONOMIA

    - O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quarta-feira (6) o fim da bandeira de escassez hídrica, em vigor desde setembro do ano passado, e que gerava uma taxa extra na conta de energia elétrica de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Com o fim da bandeira, não haverá mais cobrança de taxa extra na conta de luz. A medida entra em vigor a partir do dia 16 de abril, informou o presidente. "Bandeira verde para todos os consumidores de energia a partir de 16/04. A conta de luz terá redução de cerca de 20%", postou Bolsonaro nas redes sociais. Em seguida, o Ministério de Minas e Energia (MME) publicou uma nota oficial com o mesmo teor das postagens do presidente sobre o assunto. A tarifa extra foi aprovada em meio à crise hidrológica que afetou o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas do país em 2021. As usinas são a principal fonte geradora de energia elétrica no país. De acordo com o governo federal, foi a pior seca em 91 anos. "Em 2021, o Brasil enfrentou a pior seca já registrada na história. Para garantir a segurança no fornecimento de energia elétrica, o país utilizou todos os recursos disponíveis e o governo federal teve que tomar medidas excepcionais. Com o esforço dos órgãos do setor, o país conseguiu superar esse desafio, os reservatórios estão muito mais cheios que no ano passado e o risco de falta de energia foi totalmente afastado", diz a nota do MME, também reproduzida pelo presidente da República. Segundo a nota, o reservatório da usina de Furnas terminou o mês de março acima de 80% de seu volume útil. O governo também informou a retomada da operação da Hidrovia Tietê-Paraná, que ficou interrompida por sete meses. Já havia uma previsão de que a bandeira de escassez hídrica, patamar mais alto já adotado pelo governo, terminaria no final deste mês, mas a medida anunciada pelo MME e pelo presidente Jair Bolsonaro antecipa a redução em cerca de 15 dias. A perspectiva do governo é de que a bandeira verde vigore até o final do ano.

  • Bahia tem gasolina mais cara do Brasil, diz ANP

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    25/03/2022 - 18:15


    Há duas semanas, o teto já havia ficado com a Bahia, com R$ 8,770 por litro; preços no país se aproximam de R$ 9

    ECONOMIA

    - O preço máximo da gasolina vendida no Brasil chegou perto de R$ 9, de acordo com pesquisa feita pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) divulgada nesta sexta (25). Nesta semana, o preço máximo encontrado nas bombas chegou a R$ 8,949 na Bahia. É o maior preço já registrado pela ANP. É a terceira semana seguida em que os preços máximos no país estão acima dos R$ 8. Na semana passada, o maior valor verificado no país foi de R$ 8,399 por litro  no Rio de Janeiro. Há duas semanas, o teto já havia ficado com a Bahia, com R$ 8,770 por litro. Apesar do alto valor, o preço médio do litro da gasolina recuou 0,78% nos postos do país nesta semana.

  • Governo prepara MP para restringir importações de baixo valor

    Foto: Divulgação Foto: Divulgação
    25/03/2022 - 14:32


    Medida pode impactar comércio em plataformas como Shopee, AliExpress e Mercado Livre

    ECONOMIA

    - Após pressão de varejistas liderados pelos empresários Alexandre Ostrowiecki, presidente da Multilaser, e Luciano Hang, proprietário da Havan e aliado do presidente Jair Bolsonaro, o governo federal prepara uma medida provisória (MP) para restringir importações de baixo valor. De acordo com informações do jornal O Globo, a iniciativa do Ministério da Economia visa conter a atuação de plataformas digitais como Shopee, AliExpress e Mercado Livre, cuja participação no varejo cresceu nos últimos meses. Varejistas e industriais brasileiros classificam tais negócios como “camelódromos digitais” e criticam a atuação deles no país. Ainda segundo a publicação, a MP ganhou status de prioridade pela equipe econômica do governo Bolsonaro e também da Receita Federal. Para restringir esta forma de comércio, a União pensa em tributar as importações realizadas por pessoas físicas nas plataformas digitais, independente do valor da compra. Hoje valores abaixo de US$ 50 ficam isentos.

  • Preço da gasolina nos postos sobe 8,7% após reajuste da Petrobras, diz ANP

    Foto:Reprodução Foto:Reprodução
    18/03/2022 - 20:00


    Preço do diesel avançou 14,4%; valor máximo do diesel foi de R$ 7,980, em Ilheus, na Bahia

    ECONOMIA

    - O preço médio do litro da gasolina subiu 8,7% nos postos do país na passada, após reajuste realizado pela Petrobras, segundo divulgado nesta sexta (18) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O litro do combustível foi de R$ 6,683 para R$ 7,267. Preço máximo do combustível foi de R$ 8,399 em Três Rios, no Rio de Janeiro. Já o preço do diesel avançou 14,4%, de R$ 5,814 para R$ 6,654 nesta semana, de acordo com a pesquisa semanal da ANP. O valor máximo do diesel foi de R$ 7,980, em Ilheus, na Bahia.

  • Salário mínimo ideal seria de R$ 6.012,18, aponta Dieese

    Foto: Pond5 Foto: Pond5
    14/03/2022 - 12:30


    Valor é quase cinco vezes maior do que o atual, de R$ 1.212

    ECONOMIA

    - O salário mínimo no Brasil deveria ser de R$ 6.012,18, calcula o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O valor é quase cinco vezes maior do que o atual, de R$ 1.212. Segundo o Dieese, esse seria o pagamento mínimo para sustentar uma família de quatro pessoas no mês de fevereiro no Brasil, considerando gastos com moradia, transporte, alimentação, saúde, educação, vestuário, higiene, lazer e previdência. Os cálculos do Dieese se baseiam no preço da cesta básica mais cara do país, que em janeiro foi a da cidade de São Paulo. Na capital paulista, a cesta custa R$ 715, 65.

  • Governo cria comitê para monitorar fornecimento de combustíveis no país

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    11/03/2022 - 17:12


    Entre as funções do comitê, está a de recomendar a adoção de medidas e ações para preservar o fornecimento nacional de combustíveis e biocombustíveis

    ECONOMIA

    - Em meio à disparada do preço dos combustíveis, o Ministério de Minas e Energia (MME) criou o Comitê Setorial de Monitoramento do Suprimento Nacional de Combustíveis e Biocombustíveis. A portaria foi publicada no "Diário Oficial da União" nesta quinta-feira (10). O objetivo, diz o ministério, é intensificar o monitoramento da "conjuntura energética corrente, em face da situação geopolítica mundial, com impacto nos fluxos e nas cotações dos combustíveis no Brasil". O comitê será formado por membros: do Ministério de Minas e Energia, que presidirá o grupo, através da secretária-executiva da pasta, Marisete Dadald; da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel); da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP); da Empresa de Pesquisa Energética (EPE); e do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Entre as funções do comitê, está a de recomendar a adoção de medidas e ações para preservar o fornecimento nacional de combustíveis e biocombustíveis.

  • Câmara aprova nova regra para cálculo do ICMS nos combustíveis

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    11/03/2022 - 09:15


    O texto segue para sanção presidencial

    ECONOMIA

    - A Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta sexta-feira (11) a votação do projeto que altera a regra de incidência do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias (ICMS) sobre combustíveis. O texto segue para sanção presidencial. O projeto teve origem na Câmara, passou no Senado na quinta (10) onde sofreu mudanças. O relator apontou "vícios de inconstitucionalidade insuperáveis" na versão que foi aprovada pela Câmara. Por isso, a proposta voltou para análise dos deputados. O texto prevê que o ICMS, que é um tributo estadual, incidirá sobre os combustíveis uma única vez. Atualmente, o imposto sofre um "efeito cascata", ou seja, é cobrado mais de uma vez ao longo da cadeia de produção dos combustíveis. O texto-base foi aprovado com a maior parte das mudanças feitas pelos senadores. O relator do projeto, deputado Dr. Jaziel (PL-CE), retirou apenas um trecho do texto aprovado no Senado — o chamado “gatilho” que permitiria o reajuste extraordinário do imposto em casos de alterações súbitas no preço do petróleo. A proposta é uma tentativa de frear o aumento no preço dos combustíveis nos últimos meses, agravado pela guerra na Ucrânia após a invasão russa. A Rússia é um dos principais produtores de petróleo no mundo.

  • Senado aprova projeto que cria nova regra de cálculo do ICMS nos combustíveis

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    10/03/2022 - 19:00


    Agora, a matéria terá de voltar para nova análise dos deputados; Câmara pautou a proposta já para a noite desta quinta (10)

    ECONOMIA

    - O Senado aprovou nesta quinta-feira (10), por 68 votos a 1, o texto-base do projeto que altera a regra de incidência do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias (ICMS) sobre combustíveis. Na sequência, os senadores rejeitaram, por 56 a 8, um destaque, sugestão de alteração no texto, e concluíram a votação. A proposta prevê que o ICMS, que é um tributo estadual, incidirá sobre os combustíveis uma única vez. Atualmente, o imposto sofre um "efeito cascata", ou seja, é cobrado mais de uma vez ao longo da cadeia de produção dos combustíveis. Agora, a matéria terá de voltar para nova análise dos deputados, que poderão acolher as alterações dos senadores ou resgatar o texto original. A Câmara pautou a proposta já para a noite desta quinta (10).

  • Petrobras volta a aumentar preços da gasolina, diesel e GLP

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    10/03/2022 - 10:44


    Novos valores entram em vigor na sexta-feira; petrolífera argumenta que novos valores segue dinâmica do mercado e visa evitar desabastecimentos

    ECONOMIA

    - O preço da gasolina cobrado nas refinarias da Petrobrás passará de R$ 3,25 para R$ 3,86 por litro a partir desta sexta-feira (11). Diesel e GLP também sofrerão reajustes, conforme nota da estatal divulgada nesta quinta (10). A companhia, que estava há 57 dias sem elevar os valores dos combustíveis, afirmou que mudou de rumo para acompnhar os outros atores do mercado. “Tornou-se necessário que a Petrobras promovesse ajustes nos seus preços de venda às distribuidoras para que o mercado brasileiro continue sendo suprido, sem riscos de desabastecimento, pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros produtores”, argumentou a petrolífera. Na nota, a Petrobras ressalta que, considerando a mistura de 27% de etanol na gasolina vendida na bomba, a parcela da empresa no preço ao consumidor passará de e R$ 2,37, em média, para R$ 2,81 a cada litro. Para o diesel, o preço médio de venda da Petrobras para as distribuidoras sobe a partir desta sexta-feira de R$ 3,61 para R$ 4,51 por litro. C9m mistura obrigatória de 10% de biodiesel, a contribuição da companhia no custo da bomba irá de R$ 3,25 para R$ 4,06 a cada litro. No GLP, a partir de amanhã, o preço médio de venda do GLP da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 3,86 para R$ 4,48 por quilo, equivalente a R$ 58,21 no botijão de 13 quilos. O último reajuste ocorreru há 152 dias.

  • Bolsonaro zera alíquota de impostos de importação sobre gás de cozinha

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    09/03/2022 - 11:15


    ECONOMIA

    - O governo federal publicou nesta quarta-feira (9) um decreto que zera as alíquotas do PIS/Pasep-Importação e da Cofins-Importação incidentes sobre o gás de cozinha. A regra vale para o produto envasado em recipientes de até 13 kg e destinado ao uso doméstico. O gás de cozinha ultrapassou os R$ 100 em todas as regiões do país. Em meio à disparada do petróleo, após a invasão russa da Ucrânia, o governo espera uma decisão do Parlamento sobre um projeto de lei que altera a forma de cobrança do ICMS  nas operações que envolvem combustíveis. O texto deve ser analisado no Senado nesta quarta-feira. Segundo a proposta, a alíquota do ICMS na comercialização de gasolina seria cobrada sobre o valor fixo por litro, e não pelo preço do produto. Além disso, o imposto incidiria apenas uma vez no decorrer da cadeia de circulação dos combustíveis.

  • Prazo para declaração de Imposto de Renda 2022 começa nesta segunda-feira

    Foto: Reprodução | Agencia Brasil Foto: Reprodução | Agencia Brasil
    Por Juliana Rodrigues

    07/03/2022 - 08:30


    Período vai até 29 de abril; Receita Federal prevê entrega de cerca de 34,1 milhões de declarações este ano

    ECONOMIA

    - O prazo para a Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2022 (ano base 2021) começa nesta segunda-feira (7). A Receita Federal vai receber os documentos até o dia 29 de abril, mas a antecedência garante vantagens para o contribuinte. Entre as vantagens, há a oportunidade de receber a restituição nos primeiros lotes de pagamento. Elas começarão a ser pagas no fim de maio e vão até setembro, com pagamentos mensais. A Receita Federal prevê a entrega de cerca de 34,1 milhões de declarações este ano. Há multa entre R$ 165,74 e correspondente a 20% do imposto devido para aqueles que não declararem o IR dentro do prazo.

  • Saque de dinheiro ‘esquecido’ em bancos poderá ser feito a partir desta segunda (7)

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    06/03/2022 - 11:00


    São R$ 4 bilhões que serão pagos a 28 milhões de clientes

    ECONOMIA

    - Pessoas que estão com algum dinheiro ‘esquecido’ nos bancos vão poder conferir o valor dos recursos e pedir o resgate a partir desta segunda-feira (7). São R$ 4 bilhões que serão pagos a 28 milhões de clientes – 26 milhões de pessoas físicas e 2 milhões de empresas, segundo dados do Banco Central. Entre os dias 7 e 14 de março, as consultas e pedidos de resgate serão liberados apenas para as pessoas nascidas antes de 1968 e para as empresas criadas antes deste mesmo ano. Para os demais, os recursos serão liberados nas semanas seguintes de forma escalonada. Até a última sexta-feira (25), 116.808.865 clientes, pessoas físicas e empresas, tinham feito consultas no sistema para saber se têm algum dinheiro esquecido. Desse total, segundo o BC, 25,9 milhões de contas de pessoas físicas e 253 mil contas de pessoas jurídicas tinham algum alguma quantia a receber. Outros 90,6 milhões não tinham saldo.

  • Governo considera liberar nova rodada de saques do FGTS

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    25/02/2022 - 08:00


    Saque do dinheiro já havia sido liberado em 2020 para atenuar os efeitos da crise econômica causada pela pandemia

    ECONOMIA

    - O governo federal considera disponibilizar mais saques ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) a cerca de 40 milhões de pessoas, totalizando cerca de R$ 30 bilhões. A nova rodada deve liberar valores de até R$ 1 mil por trabalhador, mas a quantia pode variar a depender do saldo atual da conta do profissional. O saque do dinheiro já havia sido liberado em 2020 para atenuar os efeitos da crise econômica causada pela pandemia da Covid, em valores de até um salário mínimo, como medida emergencial. Ainda no governo de Michel Temer, em 2017, o uso do Fundo foi liberado em contas inativas nos casos em que o beneficiário pedia as contas da empresa, permissão não prevista originalmente. Vale lembrar que o FGTS é constituído por um depósito mensal, de responsabilidade do empregador, correspondente a 8% do salário do funcionário amparado pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).