BUSCA PELA CATEGORIA "ECONOMIA"

  • Dólar ultrapassa R$5,70, e Bolsa aprofunda queda após debandada no time de Guedes

    Foto: Reprodução | Edu Andrade Foto: Reprodução | Edu Andrade
    Por Kamille Martinho

    22/10/2021 - 11:30


    Pressão do governo para driblar teto de gastos piora percepção de investidores

    ECONOMIA

    - O câmbio voltou a abrir sob pressão nesta sexta-feira (22), com o dólar atingindo R$ 5,7130, alta de 0,81%, às 10h11. O Ibovespa, índice de referência da Bolsa de Valores Brasileira, aprofundava a queda na abertura do mercado, atingindo a mínima de 106.284 pontos às 10h14, uma baixa de 1,34%. As informações são do jornal Folha de S. Paulo. O mercado vem impondo preços mais altos para investir no país devido ao aumento da percepção de risco após o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cruzar o limite da responsabilidade fiscal ao propor um drible na regra do teto de gastos. A manobra causou uma debandada no time do ministro Paulo Guedes (Economia) nesta quinta-feira (21). O câmbio voltou a abrir sob pressão nesta sexta-feira (22), com o dólar atingindo R$ 5,7130, alta de 0,81%, às 10h11. O Ibovespa, índice de referência da Bolsa de Valores Brasileira, aprofundava a queda na abertura do mercado, atingindo a mínima de 106.284 pontos às 10h14, uma baixa de 1,34%. O mercado vem impondo preços mais altos para investir no país devido ao aumento da percepção de risco após o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cruzar o limite da responsabilidade fiscal ao propor um drible na regra do teto de gastos. A manobra causou uma debandada no time do ministro Paulo Guedes (Economia) nesta quinta-feira (21).

  • Após rumores de desabastecimento, Petrobras confirma que não atenderá demanda em novembro

    Foto: Reprodução | Agência Brasil Foto: Reprodução | Agência Brasil
    Por Luciana Freire

    20/10/2021 - 14:00


    Confirmação vem após a Associação das Distribuidoras afirmar que a petroleira teria avisado diversas associadas sobre "uma série de cortes unilaterais nos pedidos feitos de gasolina e óleo diesel"

    ECONOMIA

    - A Petrobras afirmou em comunicado que não poderá atender todos os pedidos de fornecimento de combustíveis para novembro, que teriam vindo acima de sua capacidade de produção, uma  "demanda atípica", acendendo um alerta para distribuidoras, que apontaram para risco de desabastecimento no país. A confirmação vem após a Associação das Distribuidoras de Combustíveis Brasilcom – que representa mais de 40 distribuidoras regionais de combustíveis – ter afirmado na semana passada que a petroleira teria avisado diversas associadas sobre "uma série de cortes unilaterais nos pedidos feitos para fornecimento de gasolina e óleo diesel" para novembro. Segundo a associação, "as reduções promovidas pela Petrobras, em alguns casos chegando a mais de 50% do volume solicitado para compra, colocam o país em situação de potencial desabastecimento". E continua: isso porque as empresas não estão conseguindo comprar combustíveis no mercado externo, pois os preços do mercado internacional "estão em patamares bem superiores aos praticados no Brasil".

  • Gasolina sobe 3,3% em uma semana e já custa R$ 7 em seis estados

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Gabriel Amorim

    19/10/2021 - 09:00


    Valor médio do produto atinge R$ 6,321 por litro, segundo a ANP, a Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

    ECONOMIA

    - O impacto do reajuste no preço da gasolina promovido pela Petrobras já chegou às bombas de combustíveis e, por tabela, ao bolso dos brasileiros. O produto, que subiu 3,3% na semana passada, atinge o valor médio de R$ 6,321 por litro, segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis). O aumento, de 7,2%, entrou em vigor no último dia 9 para, de acordo com a estatal, compensar parte da elevação das cotações internacionais do produto. A Petrobras também aumentou o preço do gás de cozinha no mesmo percentual. Com os repasses, já é possível encontrar gasolina a mais de R$ 7 por litro em pelo menos seis estados, conforme a pesquisa da ANP: Mato Grosso, Piauí, Acre, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. O preço mais alto, R$ 7,499 por litro, foi registrado em Bagé (RS).

  • Mais de 10 milhões ainda não sacaram fundo do PIS-Pasep

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    18/10/2021 - 10:00


    ECONOMIA

    - Liberado desde agosto de 2019, o saque das contas dos fundos do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) está esquecido por muitos trabalhadores. Segundo a Caixa Econômica Federal, cerca de 10,5 milhões de brasileiros ainda não retiraram R$ 23,3 bilhões. Tem direito ao saque quem trabalhou com carteira assinada na iniciativa privada entre 1971 e 4 de outubro de 1988. Os interessados devem procurar a Caixa Econômica Federal para retirar o dinheiro. O prazo para o saque vai até 1º de junho de 2025. Após essa data, o dinheiro será transferido à União. Até maio de 2020, a Caixa administrava apenas as cotas do PIS, destinadas aos trabalhadores do setor privado. No entanto, o Banco do Brasil (BB), que gerenciava o fundo do Pasep, destinado a servidores públicos, militares e funcionários de estatais, transferiu as cotas para a Caixa, o que permitiu a unificação dos saques. O saque pode ser pedido no aplicativo Meu FGTS, que permite a transferência para uma conta corrente. A retirada em espécie varia conforme o valor a que o beneficiário tem direito. O saldo pode ser consultado no aplicativo, no site do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) ou no internet banking da Caixa. O saque de até R$ 3 mil poderá ser feito nas lotéricas, correspondentes Caixa Aqui e nos terminais de autoatendimento, utilizando o cartão Cidadão, com senha. Outra opção é nas agências da Caixa. Acima de R$ 3 mil, somente nas agências da Caixa, mediante a apresentação de documento oficial com foto. Para saber se tem direito às cotas do fundo, o correntista deve consultar o endereço www.caixa.gov.br/cotaspis. Segundo a Lei 13.932, de 2019, os recursos do fundo ficarão disponíveis para todos os cotistas. Diferentemente dos saques anteriores, realizados em 2016, 2017 e 2018, não há limite de idade para a retirada do dinheiro. A lei facilita o saque por herdeiros, que passarão a ter acesso simplificado aos recursos. Eles terão apenas de apresentar declaração de consenso entre as partes e a declaração de que não existem outros herdeiros conhecidos, além de documentos como certidão de óbito, certidão ou declaração de dependentes, inventários ou alvarás judiciais que comprovem as informações.

  • INSS alerta contra golpes que prejudicam aposentados

    Foto: Reprodução | Agência Brasil Foto: Reprodução | Agência Brasil
    Por Luciana Freire

    13/10/2021 - 10:30


    Maioria dos casos ocorre por ligação telefônica ou email

    ECONOMIA

    - O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) alerta para alguns tipos de golpe contra aposentados e pensionistas. Essa prática se tornou comum nos últimos anos em várias regiões do país.  A maioria das situações ocorre por meio de ligação telefônica aos segurados ou envio de mensagens por email. Além de dados pessoais, os estelionatários também pedem a transferência de dinheiro para a liberação de supostos benefícios. Segundo o INSS, em um desses golpes os criminosos têm se passado por integrantes do Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS) visando pedir a transferência de dinheiro para liberar supostos valores de benefícios atrasados. Eles ligam para o segurado argumentando que ele teria direito a receber valores atrasados de valores pagos pela Previdência Social. Para a liberação do dinheiro, é solicitado que os segurados informem dados pessoais, além de efetuar o depósito de determinada quantia em uma conta bancária. Falsa revisão de benefício - Outra prática fraudulenta aplicada é a da falsa revisão de benefício. Nesse tipo de golpe, os estelionatários abordam os segurados e afirmam que teriam direito a receber valores referentes a uma falsa revisão de benefícios concedidos em governos anteriores. Também é solicitada a transferência de dinheiro para outra conta para a revisão fraudulenta. Segundo a Previdência, todas as revisões de benefícios são baseadas na legislação e os segurados não precisam fazer nenhum pagamento para ter direito. Outro tipo de situação é a da falsa auditoria geral da Previdência. Nessa modalidade, os criminosos enviam documentos a segurados convocando para uma Chamada para Resgate. “Segundo o documento, os segurados teriam direito a resgaste de valores devidos a participantes de carteiras de pecúlio que teriam sido descontados da folha de pagamento como aposentadoria complementar”, informou a Previdência Social. Acrescentou que ela não pede dados pessoais dos seus segurados por email ou telefone e alerta para que ninguém disponibilize esse tipo de informação. O INSS esclareceu que não realiza nenhuma forma de cobrança para prestar o atendimento, nem serviços. Ainda de acordo com a Previdência, a principal recomendação para os segurados é que não forneçam dados pessoais, não utilizem intermediários para entrar em contato com a Previdência e, em hipótese alguma, depositem qualquer quantia para ter direito a algum benefício previdenciário. Caso a pessoa tenha sido vítima de algum tipo de golpe, deve procurar a Ouvidoria e também registrar boletim de ocorrência numa delegacia da polícia civil.

  • Uso de lenha ultrapassa uso do gás de cozinha nas casas brasileiras

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Juliana Rodrigues

    11/10/2021 - 13:00


    Levantamento aponta que a lenha, 26,1%, é a segunda principal fonte de energia no Brasil

    ECONOMIA

    - A lenha já é a segunda principal fonte de energia no Brasil, com 26,1% de participação e só fica atrás da energia elétrica. Levantamento realizado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), aponta que o gás de cozinha aparece em seguida, com 24,4%. A lenha ganhou espaço em meio aos reajustes no preço do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). Em 2020, o uso do item em residências aumentou 1,8%, na comparação com 2019. A lenha ultrapassou o GLP nas cozinhas brasileiras a partir de 2017, quando começou a disparada do valor do gás. O fato ocorreu depois que a Petrobras mudou a política de preços. Na última sexta-feira (8), a petrolífera anunciou reajuste de mais de 7% no preço da gasolina e do gás de cozinha.

  • Porto de Salvador recebe 20 mil toneladas de trilhos para o trecho 2 da Fiol

    Foto: Reprodução     Foto: Reprodução
    Por Gabriel Amorim

    10/10/2021 - 10:00


    Navio com carga originária da China atracou na capital baiana neste sábado

    ECONOMIA

    - Um navio que atracou neste sábado (9) no Terminal de Contêineres de Salvador (Tecon) trouxe uma carga com 20.035 trilhos —cerca de 20 mil toneladas— destinados às obras do trecho 2 da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol). Com origem da China, as peças serão instaladas em um perímetro de aproximadamente 485,4 km de extensão, entre os municípios de Caetité e Barreiras. A estimativa do governo federal é entregar o trecho em 2022. Segundo Carlos Autran Amaral, diretor-presidente da Companhia das Docas da Bahia, pode ser o primeiro passo para a reintegração dos portos baianos com a malha ferroviária brasileira. A descarga total dos trilhos está prevista para a semana que vem, quando serão transportados para destino final. Ao todo, a Fiol terá 1.527 km, ligando o futuro Porto Sul, na região de Ilhéus, ao município de Figueirópolis (TO), onde se conectará com a Ferrovia Norte-Sul e o restante do país.

  • Petrobras aumenta valor de repasse da gasolina e do gás de cozinha

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Maria Clara Andrade

    08/10/2021 - 14:19


    O aumento médio será de 7,2% e, segundo a estatal, é justificado pelas altas do barril do petróleo no mercado internacional

    ECONOMIA

    - A partir do próximo sábado, (9), o preço médio de venda do GLP (gás de cozinha) e da gasolina para as distribuidoras irá aumentar. A Petrobras fez o anúncio nesta sexta-feira (8). O aumento médio será de 7,2% e, segundo a estatal, é justificado pelas altas do barril do petróleo no mercado internacional, além da taxa de câmbio que acompanha o dólar. "Esses ajustes são importantes para garantir que o mercado siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros produtores, além da Petrobras", afirmou a estatal. Apesar do aumento no valor da gasolina ser de 20 centavos, considerando a mistura do etanol à gasolina, a diferença deve ficar na casa dos R$0,15.

  • Inflação de setembro é a maior desde a criação do Plano Real; no ano, índice supera 10%

    Foto: Reprodução | Agência Brasil Foto: Reprodução | Agência Brasil
    Por Maria Clara Andrade

    08/10/2021 - 10:30


    Gastos com habitação e transportes lideram o aumento

    ECONOMIA

    - O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), taxa de medição da inflação oficial no país, teve alta de 1,16% em setembro. O valor é o mais alto para o mês desde 1994, ano de início do Plano Real. Desde o início do ano até o mês de setembro,o IPCA acumula alta de 6,90%. O índice ultrapassa a meta definida pelo Banco Central para este ano, que é de 3,75% com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos, ou seja, podendo variar entre 2,25% a 5,25%. A bandeira vermelha, por conta da crise de escassez hídrica, provocou um aumento de 6,47% na conta de energia elétrica. O grupo de gastos com habitação atingiu uma inflação de 2,56% em setembro contra 0,68% em agosto. Em segundo lugar nas maiores despesas no bolso dos brasileiros estão os gastos com transportes, seguido pela alimentação.

  • Limite de R$ 1.000 à noite em transferências no Pix passa a valer nesta segunda

    Foto: Reprodução | Agência Brasil Foto: Reprodução | Agência Brasil
    Por Kamille Martinho

    03/10/2021 - 15:00


    ECONOMIA

    - O limite de R$ 1.000 para operações em canais digitais com Pix e TED (Transferência Eletrônica Disponível) entre pessoas físicas à noite começa a valer nesta segunda-feira (4). O Banco Central criou um pacote de novas regras para garantir mais segurança nas transações por meio do Pix. As demais vão entrar em vigor no dia 16 de novembro. O limite estabelecido funciona no horário das 20h às 6h. A regra é para as transações entre pessoas físicas, incluindo os MEIs (microempreededores individuais).

  • Desemprego cai a 13,7%, mas ainda atinge 14,1 milhões de pessoas, aponta IBGE

    Foto: Reprodução | Agência Brasil Foto: Reprodução | Agência Brasil
    Por Luciana Freire

    01/10/2021 - 12:00


    Taxa sofreu redução de 1 ponto percentual em relação ao trimestre encerrado em abril (14,7%)

    ECONOMIA

    - O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (30) que a taxa de desemprego no Brasil caiu para 13,7% no trimestre fechado em julho, uma redução de 1 ponto percentual em relação ao trimestre encerrado em abril (14,7%). Na comparação com o trimestre encerrado em julho de 2020, houve estabilidade (13,8%). Apesar da diminuição na taxa, o país ainda soma 14,1 milhões de pessoas na fila em busca de um trabalho. O número representa queda de 4,6% em relação ao trimestre terminado em abril (14,8 milhões de pessoas), mas aumentou 7,3% ante o trimestre (mais 955 mil) ante o trimestre de 2020 (13,1 milhões de pessoas). Os dados fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, indicador que usa trimestres móveis, que não correspondem necessariamente ao primeiro, segundo, terceiro e quarto trimestres do ano. De acordo com o IBGE, a queda na taxa de desemprego foi influenciada, principalmente, pelo aumento no número de pessoas ocupadas (89 milhões), que avançou 3,6%, com mais 3,1 milhões no período. Com isso, o nível de ocupação subiu para 50,2%.

  • Fila de espera do Bolsa Família tem 2,2 milhões de pessoas; 215 mil estão na Bahia

    Foto: Reprodução | Agência Brasil Foto: Reprodução | Agência Brasil
    Por Luciana Freire

    29/09/2021 - 11:00


    Governo Bolsonaro ainda busca fonte de recursos para o Auxílio Brasil, que deve substituir o atual programa de transferência de renda

    ECONOMIA

    - Enquanto espera que o Congresso faça uma reforma em busca de recursos para criar o novo programa de benefícios sociais — chamado de Auxílio Brasil —, o governo federal tem 2,2 milhões de famílias elegíveis, mas em fila de espera no programa Bolsa Família. Na Bahia, 215.496 esperam receber o benefício. Os dados constam de uma reportagem publicada nesta quarta-feira (29) pelo portal UOL. Segundo a publicação, os números são referentes ao mês de junho e foram levantados pela câmara temática da assistência social do Consórcio Nordeste (grupo que reúne os nove estados da região). O número de famílias cresceu quase 20% em apenas quatro meses, já que era 1,8 milhão em fevereiro. O critério usado para classificar a demanda reprimida foi o de famílias que possuem perfil para o programa, mas aguardam a concessão pelo governo federal. É no Nordeste, por sinal, que está a maior parte dessa fila, com 844.372 famílias. Ao UOL, o Ministério da Cidadania afirmou que "tem trabalhado sistematicamente para fortalecer os programas sociais e estabelecer uma rede de proteção para a população em situação de vulnerabilidade no país". A pasta afirma que é compromisso da atual gestão "ampliar o alcance das políticas socioassistenciais", mas alega que há restrições orçamentárias para que todos sejam contemplados. "À medida que famílias são desligadas do programa, aquelas habilitadas, ainda não selecionadas, são incluídas gradualmente, por meio desse sistema, observando e cumprindo a disponibilidade orçamentária e a estimativa de pobreza para cada local, além de considerar a ordem de prioridade das famílias", explicou o ministério.

  • Petrobras elevará preço do diesel nas refinarias em quase 9% a partir desta quarta

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Gabriel Amorim

    28/09/2021 - 14:30


    Com reajuste, valor médio do produto vendido pela companhia a distribuidoras passará de R$ 2,81 para R$ 3,06 por litro

    ECONOMIA

    - A Petrobras elevará o preço do diesel nas refinarias em quase 9% a partir de quarta-feira (29), após 85 dias de estabilidade. Em nota, a estatal informou que o resjuste é importante para garantir o abastecimento do combustível no país. Com o aumento, o valor médio do diesel vendido pela companhia a distribuidoras passará de R$ 2,81 para R$ 3,06 por litro, refletindo reajuste médio de R$ 0,25 por litro. O repasse do aumento para as bombas, nos postos, depende de uma série de questões, como margens de distribuidoras e revendedoras, misturas de biodiesel, assim como tributos. O aumento já era esperado. Na última segunda (27), o diretor-executivo de Comercialização e Logística da empresa, Cláudio Mastella, havia dito que a empresa poderia aumentar os preços. Segundo o executivo, os valores praticados até então estavam defasados ante o mercado internacional.

  • Valor médio do litro de gasolina subiu 20% na Bahia desde o início da pandemia

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    28/09/2021 - 08:51


    Dados foram levantados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

    ECONOMIA

    - O preço do litro de gasolina vem aumentando desde março de 2020, início da pandemia da Covid-19 em todo o país. O aumento em agosto de 2021 fez o valor do litro ficar 20% acima do registrado em março de 2020, na Bahia. Levando em consideração o aumento do preço médio do litro de gasolina em todo o país, a variação foi de 32,9%. O valor médio de revenda em todo o território nacional subiu de R$ 4,46 para R$ 5,93. O Distrito Federal registrou o maior aumento e ficou acima de média nacional, com reajuste de 34% no período. Já a unidade federativa que apresentou a menor variação foi o Amazonas com apenas 15,5%. Os dados foram levantados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), e compilados pelo (M)Dados, núcleo de análise de grande volume de informações do Metrópoles. Todos os valores foram corrigidos pelo IPCA de agosto deste ano.

  • Governo estuda estender auxílio emergencial por boa parte de 2022

    Foto: Willian Silva | Arquivo Sudoeste Bahia Foto: Willian Silva | Arquivo Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    26/09/2021 - 17:05


    Justificativa é que não dá para tirar de forma abrupta o suporte a 25 milhões de vulneráveis

    ECONOMIA

    - A ala política do governo federal pretende estender o auxílio emergencial até 2022, afirma o colunista Lauro Jardim, no Jornal O Globo. De acordo com informações do jornalista, a ala trabalha discreta mas intensamente para estender o auxílio emergencial não apenas até dezembro. mas durante boa parte do ano que vem. A justificativa é que não dá para tirar de forma abrupta o suporte a 25 milhões de vulneráveis. A ideia é manter os valores atuais do benefício até dezembro. E, em 2022, começar um processo de desmame em que, mês a mês, o valor recebido diminuiria, mas, em tese, seria recompensado pela recuperação da economia num período já praticamente de pós-pandemia.

  • Gasolina teve aumento nos postos pela 8ª semana seguida, diz ANP

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    26/09/2021 - 07:00


    O combustível permanece acima da marca de R$ 6 por litro; etanol teve alta no valor e o diesel sofreu recuo

    ECONOMIA

    - O preço médio da gasolina subiu pela 8ª semana consecutiva nos postos de combustíveis do Brasil. O combustível permanece acima da marca de R$ 6 por litro, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). De acordo com o G1, a pesquisa aponta que a cotação média da gasolina comum nas bombas atingiu R$ 6,092 por litro na última semana, ante R$ 6,076 na semana anterior. O levantamento da ANP também mostrou alta nos valores do etanol, que chegou a R$ 4,715 por litro, ante R$ 4,704 na última semana. Já o óleo diesel teve leve recuo e foi cotado a R$ 4,707 por litro, pouco abaixo dos R$ 4,709 registrados na semana passada.

  • Datafolha: 45% dos brasileiros têm contas em atraso

    Foto: Reprodução    Foto: Reprodução
    Por Luciane Freire

    21/09/2021 - 12:00


    Dívidas atrasadas com cartão de crédito foram citadas por 25% dos entrevistados

    ECONOMIA

    - Uma pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda (20) mostra que 45% dos brasileiros têm alguma dívida ou conta atrasada no momento. Os outros 55% estão com os débitos em dia. Dívidas atrasadas com cartão de crédito foram citadas por 25% dos entrevistados. Conta de luz em atraso, por 22%. De água, por 16%.Outras contas incluídas na pesquisa são aluguel ou prestação de imóvel, 11%; gás, 8%; mensalidade de escola ou faculdade, 6%; prestação de automóvel ou motocicleta, também 6%; plano de saúde, 5%. Por região, a taxa mais alta está no Norte/Centro-Oeste (53%), seguido por Nordeste (48%), Sudeste (42%) e Sul (36%).

  • Rui assina carta em que governadores desmentem Bolsonaro sobre alta da gasolina

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Gabriel Amorim

    20/09/2021 - 15:00


    Gestores rebatem acusação de que seriam eles os responsáveis pelo aumento no preço dos combustíveis nos estados

    ECONOMIA

    - O governador da Bahia, Rui Costa (PT), e outros 19 chefes de Executivos estaduais assinam uma carta em que desmentem as acusações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que seriam eles os responsáveis pelo aumento no preço dos combustíveis nos estados. “Os governadores dos entes federados brasileiros signatários vêm a público esclarecer que, nos últimos 12 meses, o preço da gasolina registrou um aumento superior a 40%, embora nenhum estado tenha aumentado o ICMS incidente sobre os combustíveis ao longo desse período”, afirmam os gestores. "Essa é a maior prova de que se trata de um problema nacional, e, não somente, de uma unidade federativa. Falar a verdade é o primeiro passo para resolver um problema", acrescentam no documento. A manifestação reuniu governadores de diferentes partidos, como Flávio Dino (PSB-MA), Ronaldo Caiado (DEM-GO), Cláudio Castro (PL-RJ), Romeu Zema (Novo-MG), Eduardo Leite (PSDB-RS) e Ibaneis Rocha (MDB-DF). Bolsonaro tem sido constantemente cobrado pelo alto valor dos combustíveis e do gás de cozinha, que tiveram aumentos recorde desde o ano passado. Em alguns locais, o litro da gasolina já chega a R$ 7, enquanto o botijão de gás de cozinha está em torno de R$ 100. O presidente costuma culpar a política de aumentos do ICMS, aplicada pelos governadores, ao apontá-la como principal fator de alta no preço dos combustíveis, uma argumentação que foi contestada por deputados em audiência na semana passada.

  • Para 69% dos brasileiros, situação econômica do país piorou, aponta Datafolha

    Foto: Reprodução | Wikipédia Commons Foto: Reprodução | Wikipédia Commons
    Por André Uzêda

    20/09/2021 - 13:00


    Pesquisa também mostra que 39% estão pessimistas com economia nos próximos meses

    ECONOMIA

    - Pesquisa Datafolha realizada de 13 a 15 de setembro aponta que, para 69% dos brasileiros, a situação econômica do país piorou nos últimos meses. O número está próximo dos maiores patamares já registrados nos levantamentos em que esse questionamento foi feito. Em 2015, no governo Dilma Rousseff (PT), chegou a 82%. Em junho de 2018, no governo Michel Temer (MDB), a 72%. No governo Jair Bolsonaro (sem partido), a pergunta apareceu nas pesquisas de 2019, quando o resultado ficou em torno de 35%, e agora, em setembro de 2021. A questão não constou dos levantamentos realizados em 2020, após o início da pandemia. A pesquisa foi feita presencialmente, com 3.667 brasileiros em 190 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para baixo ou para cima. Mesmo entre apoiadores do governo, prevalece a opinião negativa. Para 31%, a economia melhorou, para 36%, piorou. Para 32%, ficou como estava.O ambiente econômico se deteriorou nos últimos meses: crise hídrica, desemprego elevado, uma economia estagnada no último trimestre e aumento da inflação e dos juros são alguns exemplos. O pessimismo é maior entre as pessoas que têm uma avaliação negativa do governo Bolsonaro: 54% delas acham que o cenário econômico irá piorar. Entre os que avaliam o governo como ótimo/bom está em 13%. A avaliação sobre a economia é mais negativa entre mulheres (42%), entrevistados com ensino superior (47%), pessoas de 16 a 44 anos e aqueles com renda de até cinco salários mínimos (cerca de 40% nesses dois últimos recortes), todos eles grupos nos quais o governo tem baixa taxa de aprovação.

  • Governo avalia volta do horário de verão devido a crise hídrica e pressão de setores

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Juliana Rodrigues

    16/09/2021 - 18:00


    Preocupação com possível desabastecimento de energia elétrica levou à reavaliação do fim da medida

    ECONOMIA

    - O Ministério de Minas e Energia (MME) decidiu reavaliar o horário de verão, extinto em 2019 pelo governo federal. Apesar de manter a posição de que o adiantamento dos relógios em uma hora tem contribuição limitada para a economia de energia, a pasta solicitou ao Operador Nacional do Sistema (ONS) um novo exame da questão por conta da situação de crise hídrica. Além da preocupação com o abastecimento de energia elétrica, também pesam na reavaliação a pressão de entidades do setor de turismo e restaurantes, que defendem o retorno do horário de verão por conta de seu impacto positivo nos negócios, visto que o adiantamento de uma hora acaba adicionando mais uma hora para receber turistas e clientes. Em nota oficial, o ministério afirmou que “tem estudado iniciativas que visam o deslocamento do consumo de energia elétrica dos horários de maior consumo para os de menor, de forma a otimizar o uso dos recursos energéticos disponíveis no Sistema Interligado Nacional (SIN)”, no entanto, não forneceu informações sobre prazos e possibilidades de um eventual retorno do horário de verão ainda em 2021.