• PF diz que há indícios de que Maia recebia caixa 3

    Foto: Reprodução
    Foto: Reprodução
    Por Clara Rellstab

    26/12/2017 - 10:12

    Em relatório de um dos inquéritos que investigam o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), a Polícia Federal (PF) aponta indícios de que as campanhas do democrata receberam dinheiro de empresas a mando da Odebrecht – a prática é chamada de “caixa três”. As delações de donos e executivos da empreiteira apontam a Cervejaria Petrópolis, fabricante da Itaipava, como a principal parceira da construtora no esquema. De acordo com as revelações, a companhia de bebidas doou nas eleições de 2008, 2010, 2012 e 2014 cerca de R$ 120 milhões a diversos políticos. As investigações têm buscado os beneficiários, que não foram devidamente identificados nas delações. Maia – No relatório, a PF destacou ter localizado na prestação de contas da campanha de Maia de 2014 uma doação de R$ 200 mil da empresa Praiamar Indústria Comércio e Distribuição, ligada à Cervejaria Petrópolis – a doação foi direcionada ao diretório nacional do DEM, que repassou ao deputado. Também em relação a 2014, a PF anotou haver doações da Cervejaria Petrópolis ao diretório nacional do DEM, no valor de R$ 6,1 milhões. Em família – Investigado no mesmo inquérito, o pai do presidente da Câmara, o vereador do Rio de Janeiro Cesar Maia (DEM), também recebeu doação de R$ 50 mil da cervejaria. O repasse foi via diretório nacional do DEM em 2014, quando ele disputou uma vaga no Senado e perdeu. O relatório da PF é de 28 de junho e se tornou acessível no inquérito no final de novembro.