BUSCA PELA CATEGORIA "POLÍTICA"

  • Jair Bolsonaro decide demitir ministro Mandetta, diz jornal

    Foto: Carolina Antunes | PR Foto: Carolina Antunes | PR
    Por Juliana Rodrigues

    06/04/2020 - 15:30


    De acordo com o jornal O Globo, o ato oficial de exoneração de Mandetta está sendo preparado nesta tarde no Palácio do Planalto

    POLÍTICA

    - O presidente Jair Bolsonaro decidiu demitir ainda hoje (6) o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em meio à crise do novo coronavírus. De acordo com o jornal O Globo, o ato oficial de exoneração de Mandetta está sendo preparado nesta tarde no Palácio do Planalto. A expectativa é que a decisão seja publicada em edição extra do Diário Oficial da União após reunião do presidente com todos os ministros, entre eles Mandetta, convocada para as 17h.

  • Maia decide não arquivar pedidos de impeachment contra Bolsonaro

    Foto: Dida Sampaio | Estadão Conteúdo Foto: Dida Sampaio | Estadão Conteúdo
    Por Matheus Simoni

    06/04/2020 - 08:00


    Neste final de semana, presidente da Câmara endureceu as críticas a Bolsonaro sobre os ataques nas redes sociais ao Congresso

    POLÍTICA

    - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), negou que irá arquivar pedidos de impeachment que forem protocolados contra o presidente da República, Jair Bolsonaro (Sem partido), durante a pandemia de coronavírus. Segundo a Revista Época, o democrata também decidiu que não vai arquivar as ações. A decisão sobre os pedidos será tomada após a crise da doença, que já vitimou 488 pessoas no país. Neste final de semana, Maia endureceu as críticas a Bolsonaro e disse que ataques nas redes sociais ao Congresso são promovidos por assessores de Bolsonaro que se comportam como "marginais". "Essas brigas paralelas comandadas por um gabinete do ódio, comandadas por assessores do presidente que são mais marginais do que assessores do presidente, não vão de forma nenhuma mudar atitudes do Parlamento brasileiro. Continuamos votando. Nós que aumentamos o valor da renda mínima", disse o presidente da Câmara, em entrevista ao jornal O Globo, em referência ao repasse de R$ 600 para os trabalhadores informais.

  • Datafolha: 59% dos brasileiros são contra renúncia de Bolsonaro

    Foto: Isac Nóbrega | PR Foto: Isac Nóbrega | PR
    Por Juliana Rodrigues

    05/04/2020 - 09:30


    Pesquisa ainda aponta que mesmo com a baixa aprovação da gestão da crise por parte do presidente, 52% creem que ele ainda tem condições de liderar o país

    POLÍTICA

    - A renúncia do presidente Jair Bolsonaro em meio à sua atuação na pandemia do novo coronavírus é rejeitada por 59% dos brasileiros, segundo pesquisa Datafolha divulgada hoje (5). Outros 37% desejam que ele renuncie e 4% não sabem dizer. Embora a pesquisa aponte que apenas 33% dos entrevistados consideram a gestão da crise como boa ou ótima, 52% creem que ele ainda tem condições de seguir liderando o país. Já 44% avaliam que ele perdeu tais condições, e 4% não souberam responder. Na semana passada, um grupo de políticos de esquerda, incluindo os ex-presidenciáveis Fernando Haddad (PT-SP), Ciro Gomes (PDT-CE) e Guilherme Boulos (PSOL-SP), lançou um manifesto pedindo a renúncia de Bolsonaro. O tema entrou em pauta desde que o presidente adotou uma postura negacionista e de confronto com o Ministério da Saúde e os governadores. O Datafolha ouviu 1.511 entrevistados, por telefone, entre os dias 1º e 3 de abril. A margem de erro é de três pontos.

  • Mandetta diz querer sair do governo, mas nega pedir demissão

    Foto: Marcello Casal Jr | Agencia Brasil Foto: Marcello Casal Jr | Agencia Brasil
    Por Matheus Simoni

    03/04/2020 - 07:30


    Após críticas de Bolsonaro, ministro da Saúde confidencia a aliados vontade de deixar a pasta

    POLÍTICA

    - Após críticas do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, confidenciou a aliados a vontade de deixar o governo em meio à crise do coronavírus. A informação foi divulgada hoje (3) pela coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo. O ministro afirmou, porém, que não pedirá para sair. Ele prefere deixar a decisão a cargo do presidente em uma demissão durante uma crise sanitária. Ontem (2), Mandetta respondeu os ataques de Bolsonaro e disse que "quem tem mandato popular fala, e quem não tem, como eu, trabalha".

  • Ministro do STF encaminha à PGR pedido de afastamento de Bolsonaro

    Foto: Nelson Jr | STF Foto: Nelson Jr | STF
    Por Matheus Simoni

    31/03/2020 - 07:00


    Ação lista responsabilidade do presidente em falta de condução na crise do coronavírus no país

    POLÍTICA

    - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, encaminhou à Procuradoria-Geral da República (PGR) um pedido de afastamento do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido). A informação foi confirmada pelo próprio magistrado. A medida tem como base as ações de Bolsonaro na condução do país na crise do coronavírus, que já matou mais de 159 pessoas no Brasil. Na condição de relator da ação, Marco Aurélio encaminhou a notícia-crime protocolada pelo deputado federal Reginaldo Lopes, do PT-MG. Por não ter sido arquivado pelo ministro, o pedido exige que a PGR se posicione e dê um parecer sobre o afastamento, que pode chegar a 180 dias.  Procurado, o Planalto não comentou a decisão. Mais cedo, o ministro declarou ter ficado "pasmo" ao ver o presidente cumprimentando pessoas em Brasília, mesmo com a recomendação do Ministério da Saúde sobre isolamento social. No pedido feito pelo parlamentar, ele ressalta a quantidade de crimes que teriam sido cometidos por Bolsonaro. “A notícia-crime relata mais de 20 vezes em que o presidente pôs o país em risco. E ainda há novos fatos a serem incorporados”, disse Lopes sobre a peça.

  • Prefeitos e governadores vão pagar indenização a trabalhador por paralisação, diz Bolsonaro

    Foto: Alan Santos | PR Foto: Alan Santos | PR
    Por Matheus Simoni

    27/03/2020 - 11:45


    Fala foi feita após ele deixar o Palácio da Alvorada pela manhã. Bolsonaro conversou com apoiadores e voltou a minimizar a Covid-19

    POLÍTICA

    - O presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) disse hoje (27) que prefeitos e governadores que decretaram fechamento do comércio em razão da pandemia do coronavírus no país terão que pagar indenização a trabalhador por paralisação. A fala foi feita após ele deixar o Palácio da Alvorada pela manhã. Bolsonaro conversou com apoiadores e voltou a minimizar a Covid-19. "Tem um artigo na CLT que diz que todo empresário, comerciante, etc, que for obrigado a fechar seu estabelecimento por decisão do respectivo chefe do Executivo, os encargos trabalhistas, quem paga é o governador e o prefeito, tá ok?", disse Bolsonaro. Segundo o artigo 486 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), "no caso de paralisação temporária ou definitiva do trabalho, motivada por ato de autoridade municipal, estadual ou federal, ou pela promulgação de lei ou resolução que impossibilite a continuação da atividade, prevalecerá o pagamento da indenização, que ficará a cargo do governo responsável". Ele voltou a ironizar a Covid-19 e ironizou a presença da imprensa na saída do palácio. "O vírus está para lá", disse o presidente indicando com a mão o local onde repórteres esperam para entrevistá-lo. "Não vou chegar perto porque eu posso passar vírus para eles?", continuou.

  • Discurso de Bolsonaro foi montado por Carlos e núcleo ideológico do Planalto

    Foto: Isac Nóbrega | PR Foto: Isac Nóbrega | PR
    Por Matheus Simoni

    25/03/2020 - 09:30


    Na fala, presidente defendeu a reabertura do comércio e das escolas e acusou a imprensa de ser responsável por passar à população uma “sensação de pavor”

    POLÍTICA

    - O discurso feito pelo presidente Jair Bolsonaro, durante pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV na noite de ontem (24), foi construído e montado pelo grupo ideológico do Palácio do Planalto, formado pelo chamado "gabinete do ódio". Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a estratégia, segundo assessores presidenciais, é a de tentar polarizar o debate no esforço de municiar o eleitorado bolsonarista a voltar a sair em defesa do governo. O presidente esteve reunido com um dos filhos, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), um dos principais defensores do tom raivoso de Bolsonaro. Também participaram do encontro os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Onyx Lorenzoni (Cidadania), Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Walter Braga Netto (Casa Civil). O senador Flavio Bolsonaro (sem partido-RJ) e o ex-jogador de futebol Paulo César Tinga também estavam presentes. De acordo com o jornal Estado de S. Paulo, até o final da tarde, poucos auxiliares sabiam que Bolsonaro preparava uma declaração em cadeia de rádio e televisão. A decisão de falar à nação foi tomada após as reuniões com os governadores do Sul e do Centro-Oeste. A gravação foi feita à tarde. Na fala, Jair Bolsonaro defendeu a reabertura do comércio e das escolas e acusou a imprensa de ser responsável por passar à população uma “sensação de pavor” e potencializar o “cenário de histeria.”

  • Bolsonaro quer que Ministério da Saúde adote isolamento social apenas para grupo de risco

    Foto: Marcos Corrêa | PR Foto: Marcos Corrêa | PR
    Por Matheus Simoni

    25/03/2020 - 07:00


    Ideia é fazer com que 'isolamento vertical' deixe em casa apenas idosos e pessoas com pré-disposição a serem infectadas

    POLÍTICA

    - O presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) disse que irá pedir ao Ministério da Saúde uma mudança na orientação de isolamento social da população durante a pandemia do novo coronavírus. A medida nova tem como objetivo isolar apenas para idosos e pessoas com outras doenças. A fala foi feita ao deixar o Palácio da Alvorada na manhã de hoje (25). Ele relatou que vai conversar com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, sobre a decisão do que chamou de "isolamento vertical". "Conversei por alto com o Mandetta ontem. Hoje vamos definir essa situação. Tem que ser, não tem outra alternativa", disse Bolsonaro. "A orientação vai ser vertical daqui para frente. Eu vou conversar com ele e tomar a decisão. Não escreva que já decidi, não. Vou conversar com o Mandetta sobre essa orientação", acrescentou.

  • Em pronunciamento, Bolsonaro pede fim do 'confinamento' e reabertura de comércio e escolas

    Foto: Reprodução | TV Sudoeste Foto: Reprodução | TV Sudoeste
    Por Juliana Almirante

    25/03/2020 - 07:00


    Durante as declarações do presidente, houve panelaço em todas as regiões do país, inclusive em Salvador

    POLÍTICA

    - Em pronunciamento em rede nacional de televisão e rádio exibido na noite de ontem (24), o presidente da República, Jair Bolsonaro, pediu a reabertura do comércio e das escolas e o fim do "confinamento em massa". A declaração do presidente vai de encontro à recomendação da Organização Mundial de Saúde, que defende que o isolamento social tem sido a ação mais eficaz até o momento para diminuir a transmissão do novo coronavírus. Medidas como o fechamento de comércio e escolas têm sido utilizadas em todo o mundo. No Brasil, as iniciativas são adotadas por determinação dos governos estaduais e municipais. A Covid-19 já deixou 46 mortos no país e 16.231 no mundo. Durante o pronunciamento de Bolsonaro, houve panelaço em todas as regiões do país, inclusive em Salvador. "Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transportes, o fechamento de comércio e o confinamento em massa. O que se passa no mundo tem mostrado que o grupo de risco é o das pessoas acima de 60 anos. Então, por que fechar escolas?", declarou Bolsonaro. A medida de fechamento de escolas tem sido adotada como um dos medida de prevenção, a fim de promover isolamento social, já que crianças e jovens são considerados "vetores" de propagação do vírus aos mais velhos. A OMS também já registrou mortes de crianças no mundo. O presidente também afirmou que o coronavírus "brevemente passará" e afirmou que a vida "tem que continuar": "O vírus chegou. Está sendo enfrentado por nós e brevemente passará. Nossa vida tem que continuar. Os empregos devem ser mantidos. O sustento das famílias deve ser preservado. Devemos, sim, voltar à normalidade", declarou o presidente. Sem citar nenhum dado que comprove sua declaração, Bolsonaro disse que seriam "raros" os casos de vítimas fatais entre pessoas com menos de 40 anos "sãs". "Raros são os casos fatais de pessoas sãs com menos de 40 anos de idade. Noventa por cento de nós não teremos qualquer manifestação caso se contamine.

  • Congresso discute adiar eleições municipais por causa do coronavírus

    Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil
    Por Juliana Rodrigues

    20/03/2020 - 09:10


    Parlamentares acreditam que o calendário eleitoral poderá ser afetado caso a crise se estenda até junho

    POLÍTICA

    - Com a crise provocada pelo coronavírus e a incerteza sobre a extensão e a duração da pandemia, congressistas passaram a defender o adiamento das eleições municipais deste ano, previstas para outubro. A estimativa do Ministério da Saúde é que os casos aumentem entre abril e junho, com uma possível estabilização a partir de julho. Segundo a Folha, líderes de partidos na Câmara e congressistas temem que o cenário traçado pelo ministro Luiz Henrique Mandetta prejudique as campanhas eleitorais. Elas estão previstas para começar apenas no dia 16 de agosto, mas até lá parte do calendário eleitoral pode ser afetado. Na terça (17), alguns dirigentes partidários, entre eles o presidente nacional do Solidariedade, Paulinho da Força (SP), debateram a necessidade de achar uma saída jurídica para o caso de a crise se estender até o início das campanhas. De acordo com o dirigente, se no mês de julho ainda houver restrição para realização de eventos, as convenções partidárias estariam inviabilizadas. Pela lei eleitoral, o prazo para escolha dos candidatos é de 20 de julho até 5 de agosto. Além disso, uma das recomendações do ministério é evitar contato e aglomerações, o que afetaria também um dos mais tradicionais recursos políticos, o corpo a corpo com eleitores. Mesmo com a discussão na Câmara, um possível adiamento do pleito não está em discussão na cúpula do Senado. Pessoas ouvidas pela Folha relataram que o tema não foi levado ao presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que está em isolamento desde que foi diagnosticado com coronavírus. Ontem (19), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sinalizou que, por enquanto, não vai mudar o calendário do pleito de 2020.

  • Advogado criminalista diz que impeachment de Bolsonaro é 'uma hipótese razoável'

    Foto: Reprodução |  Youtube Foto: Reprodução | Youtube
    Por Juliana Almirante

    20/03/2020 - 08:00


    Kakay lembra que presidente descumpriu a recomendação do Ministério da Saúde para que ficasse em isolamento

    POLÍTICA

    - O advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como "Kakay", declarou hoje (20), em entrevista à Rádio Metrópole, que avalia que o impeachment do presidente da República, Jair Bosonaro, é uma hipótese "razoável", diante da maneira que o mandatário lida com a crise do coronavírus. "Acho que nós temos que nos indignar. Porque eu sempre fui contrário à vulgarização de um instituto tão sério. Escrevi na Folha, há um tempo atras, que embora ele (Bolsonaro) seja fraco, não seria caso de impeachment, porque não podemos imaginar que podemos usar impeachment para tirar incompetentes. Um pais não pode ter três impeachments em 20 e poucos anos. Mas o impeachment passa a ser, neste momento, uma hipótese razoável. Porque não podemos deixar o país à deriva", ponderou o criminalista. Kakay escreveu, em artigo publicado no Estadão, que o presidente é um "inimputável oportunista". O advogado lembra que Bolsonaro descumpriu a recomendação do Ministério da Saúde para que ficasse em isolamento, depois de viajar aos EUA. Vinte e duas pessoas da comitiva presidencial já foram diagnosticadas com o coronavírus "Como ele é presidente da República, está cometendo crime de responsabilidade. Ele fala: se eu me infectar, o problema é meu. Ele está errado.  Não é problema dele, é de saúde pública. Eu estou em casa, não só pela minha saúde, mas, se eu sair, posso infectar outras pessoas. Isso não é um problema dele, quando diz que pode ir ao encontro do povo. Ele está expondo as pessoas", disse.

  • Neto diz que Bolsonaro 'não tem postura' para exercer liderança do país

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Juliana Rodrigues

    17/03/2020 - 16:03


    POLÍTICA

    - O prefeito de Salvador e presidente nacional do Democratas, ACM Neto, criticou a forma como o presidente da República, Jair Bolsonaro (Sem partido), está lidando com a pandemia de coronavírus. Em entrevista à Rádio Metrópole hoje (17), durante o Jornal da Metrópole no Ar, o gestor disse que ele não tem "postura" para exercer a liderança do país. "Infelizmente, e digo isso lamentando, o presidente não está tendo postura de exercer a liderança como deveria. Como a gente tem visto acontecer em outros países mundo afora, com crise no mundo inteiro, os líderes políticos devem assumir responsabilidade e dar exemplo. Não posso dizer para o cidadão fazer sua parte se não faço a minha", declarou Neto. "Eu confesso que estou relativamente triste e decepcionado ao ver o presidente, que não exerce sua liderança, e ele tinha que ser mobilizador de prefeitos, governadores, de parlamento, do Judiciário. Ele não está fazendo e espero que ele volte a suas funções e seja líder desse processo", acrescentou. Ainda segundo o prefeito, falta a Bolsonaro consideração a respeito do risco. A convocação de manifestações no domingo (15) em todo o país foi irresponsável. "Agora é momento de dar exemplo e o presidente não está dando bons exemplos nesse tema. Aliás, no domingo, ele teve, na minha opinião, uma postura irresponsável. Eu sempre fui defensor de manifestações, seja de direita, esquerda ou centro, mas não agora. Não é hora de aglomerar gente. Agora é de ter cuidado. O presidente não leva a sério como precisa ser levada", disse Neto.

  • Ciro: ‘Lula tomou gosto pela burguesia’ e acumula ‘R$ 15 milhões de fortuna sem trabalhar’

    Foto: Divulgação | Radio Metrópole Foto: Divulgação | Radio Metrópole
    Por Alexandre Galvão & Matheus Simoni

    11/03/2020 - 10:00


    “O patrimônio do Lula passa de R$ 15 milhões, nunca herdou nada e nunca trabalhou nada. De onde vem esse dinheiro?", questionou

    POLÍTICA

    - Ex-ministro da Integração Nacional do governo Lula, Ciro Gomes não poupou o ex-presidente das críticas na entrevista que concedeu a Mário Kertész, na Rádio Metrópole. De acordo com o Ciro, o “lulopetismo foi uma grande esperança para o Brasil”, mas depois “chafurdou”. “Muita bajulação, depois toma gosto da burguesia e das facilidades da vida. É um sítio aqui, um triplex acolá e deixa para lá que é uma bobagem. Mas vamos concordar: se o presidente da República é corrupto, um triplex fuleiro em uma praia cafona não é o maior sintoma disso. Mas tomou-se gosto. Como é rei, não há mais contestação. ‘Sou o Lula e posso fazer o que bem quiser e entender’. Começou a lotear o governo. Aí não dá para mim dizer que não sabia. Eu estava lá. Eu denunciei publicamente”, afirmou. O suposto patrimônio acumulado pelo petista também foi alvo de comentário de Ciro Gomes. “O patrimônio do Lula passa de R$ 15 milhões, nunca herdou nada e nunca trabalhou nada. De onde vem esse dinheiro? 200 mil dólares e, todavia, quem paga a palestra é a empreiteira. Tudo bem, legalmente é certo. Não quero ser melhor que ninguém, mas escolhi a vida pública e falo como falo, chamando este presidente de canalha com todas as letras, porque ele é um canalha, porque eu me garanto. Imagina se tenho um triplex, frequento sítio, com patrimônio que não se explica, se eu aguento três dias?”.

  • Deputado Charles Fernandes participa de encontro político e inauguração em Matina

    Foto: Divulgação Foto: Divulgação
    09/03/2020 - 12:05


    POLÍTICA

    - O deputado federal Charles Fernandes (PSD) cumpriu extensa agenda no último sábado em Guanambi, onde participou do ato de inauguração da UBS do bairro BNH, ao lado do prefeito Jairo Magalhães, vereadores, secretários e da deputada estadual Ivana Bastos. Em seguida, no município de Matina, Charles se reuniu ao lado da deputada com o presidente da Câmara Valu, vereador Dr. Merivaldo e a ex-prefeita Dona Olga, ex-prefeito Dr. Zezito, Dr. Ítalo, vereadores e lideranças, onde oficializaram a união entre os dois grupos para a disputa das eleições em 2020. Ainda na noite de sábado, Charles participou da entrega do sistema de água da localidade de Baraúna, obra viabilizada através do seu mandato, a pedido dos vereadores Valu e Merivaldo. "Iremos nos esforçar para viabilizar este importante projeto de renovação em Matina para construirmos uma gestão aberta, democrática e transparente".

  • Moro sugere à Câmara alterações no texto da PEC da segunda instância

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Luciana Freire

    05/03/2020 - 19:48


    Segundo a PEC, o réu só poderá recorrer até a segunda instância e, depois disso, o processo transitará em julgado

    POLÍTICA

    - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, enviou à Câmara sugestões de alterações no texto da proposta de emenda à Constituição (PEC) da segunda instância. Na prática, de acordo com a PEC, o réu só poderá recorrer até a segunda instância e, depois disso, o processo transitará em julgado. O caso até poderá seguir para o Supremo Tribunal Federal ou Supremo Tribunal de Justiça, mas por meio de uma nova ação, ação revisional, para questionar aspectos formais da sentença. A proposta em discussão pelos deputados modifica os artigos 102 e 105 da Constituição, acabando com o recurso extraordinário, apresentado ao STF, e com o recurso especial, apresentado ao STJ. Moro participou de audiência pública na Câmara em fevereiro e já havia defendido essas alterações na PEC.

  • Reforma administrativa será enviada ao Congresso na próxima quarta, diz líder do governo

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Luciana Freire

    05/03/2020 - 18:20


    Segundo Fernando Bezerra todo o foco será voltado para a votação de medidas que possam gerar uma reação na economia

    POLÍTICA

    - Depois do Produto Interno Bruto (PIB) fraco de 2019 e com a queda nas previsões para 2020, o governo de Jair Bolsonaro e o Congresso Nacional vão tentar acelerar as reformas no Legislativo como resposta ao momento de incerteza na economia. Vencida a batalha da votação dos vetos presidenciais, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), disse ao blog do Valdo Cruz, que a reforma administrativa deve ser encaminhada na próxima quarta-feira (11). De acordo com o líder do governo, todo o foco será voltado para a votação de medidas que possam gerar uma reação na economia, o que passa pelas reformas e pela proposta de emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo. Empresários estão preocupados com o ritmo de votação das reformas no Congresso neste ano. Até agora, o clima tenso na política inviabilizou uma aceleração no processo de tramitação das medidas.

  • Quebra de sigilo: gabinete de Eduardo Bolsonaro comandou ataques virtuais

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Matheus Simoni

    04/03/2020 - 12:30


    Documento do Facebook liga parlamentar a uma série de mensagens disparadas nas redes sociais

    POLÍTICA

    A página "Bolsofeios", que publica mensagens favoráveis ao presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) e é acusada de estimular ódio contra adversários políticos foi criada a partir de um computador localizado no gabinete do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), na Câmara dos Deputados. A informação foi divulgada hoje (4) pelo portal UOL, com base em dados do Facebook à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News no Congresso. A página, chamada Bolsofeios, também foi registrada a partir de um telefone utilizado pelo secretário parlamentar do deputado, Eduardo Guimarães. O email do registro da conta da página é "eduardo.gabinetesp@gmail.com"— endereço utilizado pela assessoria do filho do presidente para a compra de passagens e reserva de hotéis, através da cota parlamentar, como mostra a prestação de contas disponível no site da Câmara dos Deputados. As foram enviadas pela rede social, a partir de um pedido de quebra de sigilo referente a contas no Instagram feito pela comissão. O documento, obtido pela reportagem do UOL, mostra que a conta "bolso_feios" foi feita no IP de um computador localizado dentro na Câmara. Ele foi enviado à comissão depois de um requerimento feito pelo deputado Túlio Gadelha (PDT-PE), com base em denúncias da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP). Em depoimento no ano passado à CPMI, Joice já havia dito que a página "Bolsofeios" pertencia ao assessor de Eduardo, Eduardo Guimarães. Ela também apresentou um grupo secreto que reunia páginas ligadas ao "gabinete do ódio", com a presença de Guimarães e o perfil "bolsofeios". O grupo organizava um cronograma de ataques a pessoas consideradas inimigas da família. Entre as mensagens estão críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e outros membros do Congresso Nacional.

  • Redução da maioridade penal pode aumentar criminalidade, diz Toffoli

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Luciana Freire

    03/03/2020 - 19:15


    Toffoli fez a avaliação ao comentar os resultados de uma pesquisa do CNJ sobre indivíduos que são punidos pelo Estado e voltam a cometer infrações ou crimes

    POLÍTICA

    - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça, ministro Dias Toffoli, afirmou hoje (3) que uma eventual redução da maioridade penal pode resultar no aumento da criminalidade. Toffoli fez a avaliação ao comentar os resultados de uma pesquisa do CNJ sobre indivíduos que são punidos pelo Estado e ainda assim voltam a cometer infrações ou crimes. “Somados a outros estudos que apontam na mesma direção, esses dados são um forte indicador de que a expansão do sistema prisional para a parcela do público atualmente alcançado pelo sistema socioeducativo pode agravar ainda mais os níveis de criminalidade no país, não podendo, portanto, ser ignorados no debate em curso em nossa sociedade sobre a maioridade penal”, disse o ministro durante abertura de seminário sobre o tema, na sede do CNJ, em Brasília. Para Toffoli, a pesquisa contribui para que o assunto seja discutido com base em dados da realidade. “O Estado não pode trabalhar com achismo, com o “penso que”, o “acho que”, afirmou.

  • Nova política para o salário mínimo deve ser primeira 'pauta-bomba' do Congresso

    Foto: Marcello Casal Jr. | Agência Brasil Foto: Marcello Casal Jr. | Agência Brasil
    Por Juliana Almirante

    29/02/2020 - 12:00


    Segundo fontes do governo, a equipe econômica já procurou lideranças do Senado e da Câmara a fim de conter o avanço do debate

    POLÍTICA

    - Os parlamentares podem acionar uma "pauta-bomba" com impacto direto nas contas públicas no momento em que o governo tenta fechar um acordo com o Congresso para viabilizar o Orçamento de 2020. De acordo com reportagem do jornal O Estado de São Paulo, a discussão da política de valorização do salário mínimo pode ser acelerada nas próximas semanas. Segundo fontes do governo, a equipe econômica já procurou lideranças do Senado e da Câmara a fim de conter o avanço do debate. Um das propostas de nova política para o mínimo é o projeto de lei do senador Eduardo Braga (MDB-AM). Conforme o texto, os reajustes para a preservação do poder aquisitivo do salário devem refletir a expectativa de inflação anual contida na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), acrescida da taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) per capita, apurada pelo IBGE. O projeto pode ser analisado já na próxima semana na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

  • Bolsonaro divulga vídeo sobre ato convocado contra o Congresso

    Foto: Marcos Corrêa | PR Foto: Marcos Corrêa | PR
    Por Juliana Almirante

    25/02/2020 - 22:30


    Presidente da República usou o WhatsApp para compartilhar mensagem; Reações falam em "crise intitucional"

    POLÍTICA

    - O presidente da República, Jair Bolsonaro, enviou de seu celular pessoal via Whataspp, um vídeo que convoca a população para um ato, que ocorrerá dia 15 de março, em defesa do governo e contra o Congresso Nacional. “Ele foi chamado a lutar por nós. Ele comprou a briga por nós. Ele desafiou os poderosos por nós. Ele quase morreu por nós. Ele está enfrentando a esquerda corrupta e sanguinária por nós. Ele sofre calúnias e mentiras por fazer o melhor para nós. Ele é a nossa única esperança de dias cada vez melhores. Ele precisa de nosso apoio nas ruas. Dia 153 vamos mostrar a força da família brasileira. Vamos mostrar que apoiamos Bolsonaro e rejeitamos os inimigos do Brasil. Somos sim capazes, e temos um presidente trabalhador, incansável, cristão, patriota, capaz, justo, incorruptível. Dia 15/03, todos nas ruas apoiando Bolsonaro”, diz a narração da peça. A atitude causou reações na esfera política. O ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso, classificou como "crise institucional de consequências gravíssima". Já o governador do Maranhão, Flávio Dino, afirmou que "tal coação constitui crime de responsabilidade".