BUSCA PELA CATEGORIA "ECONOMIA"

  • Petrobras anuncia reajuste de 5% para a gasolina nas refinarias

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Agência Brasil

    07/07/2020 - 17:30


    Novo valor entra em vigor nesta quarta-feira; não houve alteração no custo do diesel neste momento

    ECONOMIA

    A Petrobras anunciou, nesta terça-feira (7), reajuste médio de 5% no preço do litro da gasolina vendida nas refinarias. O novo valor entra em vigor na quarta-feira (8). O preço do diesel não sofreu reajuste. Segundo levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), entre os dias 28 de junho e 4 de julho, o preço médio da gasolina comum nos postos de abastecimento do país foi de R$ 4,064. O preço médio do diesel S-500 ficou em R$ 3,147 e o etanol, em R$ 2,737. O valor do botijão de 13 quilos dokg gás de cozinha foi de R$ 69,85. Os preços são referentes ao valor vendido para as distribuidoras a partir das refinarias. O valor final ao motorista depende do mercado, já que cada posto tem sua própria política de preços, sobre os quais incidem impostos, custos operacionais e de mão de obra. “Nossa política de preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras tem como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo. A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos”, explica, em nota, a estatal. Segundo a companhia, a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras são diferentes dos produtos no posto de combustíveis. São os combustíveis tipo A: gasolina antes da sua combinação com o etanol e diesel sem adição de biodiesel. “Os produtos vendidos nas bombas ao consumidor final são formados a partir do tipo A misturados a biocombustíveis.”

  • Guedes já definiu com Bolsonaro como serão pagas parcelas de novo auxílio

    Foto: Reprodução | Agência Brasil Foto: Reprodução | Agência Brasil
    Por Matheus Morais

    06/07/2020 - 07:00


    Presidente foi convencido por ministro da Economia, segundo coluna de Lauro Jardim

    ECONOMIA

    - Após conversas do ministro da Economia, Paulo Guedes, com interlocutores do meio político, a forma de pagamento do auxílio emergencial de R$ 1,2 mil já está acertada entre ele e Jair Bolsonaro — o presidente foi convencido por Guedes. A infomração é da coluna de Lauro Jardim, do jornal O Globo. Segundo a publicação, no fim deste mês, seriam pagos R$ 500 e, nos primeiros dias de agosto, uma segunda parcela de R$ 100. Ainda em agosto, seriam liberadas mais duas parcelas, ambas de R$ 300. Assim como tem sido feito nas parcelas do ‘coronavoucher’ já pagas, o beneficiário poderá usar o aplicativo da Caixa e receber digitalmente o dinheiro. Atualmente, mais da metade do auxílio tem sido pago diretamente nessas contas digitais.

  • Reforma tributária está pronta para ir ao Congresso, diz Guedes

    Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil
    Por Danielle Campos

    05/07/2020 - 07:00


    Ministro afirmou que espera aprovação dos parlamentares para projetos que atraiam investimentos privados ao país

    ECONOMIA

    - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse hoje (4) que a proposta de reforma tributária está “absolutamente pronta” e deve ser enviada nos próximos dias ao Congresso. Ele participou de uma transmissão ao vivo com empresários, onde também afirmou esperar aprovação dos parlamentares, nos próximos 90 dias, para projetos que atraiam investimentos privados ao país. “[O modelo de reforma tributária] já está pronto. Está absolutamente pronto para ser disparado. Primeiro de janeiro deste ano já estava tudo combinado”, disse Guedes. No início do ano, o Congresso criou uma comissão mista especial para fundir as duas propostas de reforma tributária da Câmara e do Senado sobre o tema, mas a pandemia do novo coronavírus adiou os trabalhos. Guedes prometeu dar prioridade a projetos para estimular investimentos privados e, após o fim da pandemia, priorizar projetos para gerar renda e emprego. Em relação à reforma do pacto federativo, que previa a reformulação do Estado brasileiro e a descentralização de recursos para estados e municípios, o ministro disse que a proposta se tornou menos prioritária no momento.

  • Setor de transportes eliminou 20 mil empregos em maio em todo o país

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    03/07/2020 - 19:00


    Transporte de passageiros responde por 60% deste corte; para CNT, quadro pode se agravar devido ao impacto financeiro da pandemia

    ECONOMIA

    - O setor de transporte fechou 20.852 vagas de trabalho com carteira assinada em maio deste ano. Desde março, quando começaram as restrições à circulação no combate ao novo coronavírus a maio, 56.117 empregos foram elimninados de acordo com o Boletim Economia em Foco, da Confederação Nacional do Transporte. Em maio, a maior perda foi registrada no segmento de transporte rodoviário de passageiros, com 12.342 vagas fechadas (59,2%).  No segmento de cargas, 7.955 trabalhadores perderam a ocupação. Segundo a CNT, a quantidade de demissões poderia ter sido maior sem a suspensão temporária dos contratos de trabalho prevista na MP 936. Para o presidente da CNT, Vander Costa, a crise pode se agravar no setor . “Não se pode descartar um cenário de novas demissões nos próximos meses, dadas as dificuldades financeiras que vêm sendo apontadas por um grande número de empresas do setor em pesquisas realizadas pela CNT para avaliar o impacto da Covid-19 no transporte”, avalia Vander Costa.

  • Petrobras reajusta preços de gasolina e diesel nas refinarias

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Luciana Freire

    01/07/2020 - 16:30


    Este é o oitavo reajuste de preços na gasolina pela companhia desde o mês passado, acompanhando a recuperação dos preços internacionais do petróleo

    ECONOMIA

    - A Petrobras  vai aumentar os preços da gasolina em 3% (R$ 0,0457 por litro) e do diesel em 6% (R$ 0,0982 por litro) a partir de amanhã (2) em suas refinarias e bases. Este é o oitavo reajuste de preços na gasolina pela companhia desde o mês passado, acompanhando a recuperação dos preços internacionais do petróleo, que caíram nos meses de abril e maio por conta da pandemia do novo coronavírus. No caso do óleo diesel, é o quarto aumento de preços desde o mês passado até o momento, depois de 11 reduções nos três primeiros meses do ano.

  • Guedes confirma mais duas parcelas de R$ 600 do auxílio emergencial

    Foto: Willian Silva | Sudoeste Bahia Foto: Willian Silva | Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    30/06/2020 - 10:30


    Cada nova parcela terá impacto de R$ 50 bilhões nas contas públicas.

    ECONOMIA

    - O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou em entrevista à rede de TV CNN na manhã desta terça-feira (30) que o governo federal vai prorrogar o auxílio emergencial em mais duas parcelas de R$ 600 cada. O anúncio oficial deve ser feito em cerimônia no Palácio do Planalto prevista para as 16h de hoje, com a presença do chefe da equipe econômica e do presidente Jair Bolsonaro. O montante de cada nova parcela é o mesmo pago pelo governo nas três parcelas iniciais do benefício. Por esse motivo, não será preciso aprovar uma nova lei no Congresso – bastará um decreto presidencial prorrogando. Cada nova parcela terá impacto de R$ 50 bilhões nas contas públicas. Pelos cálculos do Tesouro, as duas juntas elevarão o déficit público de 2020 em 1,5 ponto porcentual, para 11,5% do PIB. A prorrogação do auxílio, apelidado de “coronavoucher”, em duas parcelas de R$ 600 vai ao encontro do que defendia o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Bolsonaro chegou a anunciar que prorrogaria o benefício em três parcelas decrescentes de R$ 500, R$ 400 e R$ 300, mas acabou desistindo após resistência de Maia e outros parlamentares.

  • Bahia tem maiores quedas no número de estabelecimentos comerciais e empregados no setor

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    26/06/2020 - 14:30


    Segundo o IBGE, mesmo com o recuo, estado se manteve, em 2018, como o 6º estado do país em número de estabelecimentos comerciais

    ECONOMIA

    - Em 2018, a Bahia registrou queda significativa no número de estabelecimentos comerciais e no total de trabalhadores empregados neste setor, segundo dados divulgados hoje (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No ano de 2018, havia 88.851 unidades locais comerciais ativas e com receita de revenda na Bahia. Esse número representou uma redução de 7,9% em relação a 2017, quando o estado tinha 96.479 estabelecimentos comerciais. A queda porcentual foi a maior do país e o recuo absoluto (-7.628 estabelecimentos) foi o segundo pior resultado entre as unidades da federação, acima apenas do apresentado em São Paulo, que teve redução de 14.119 estabelecimentos comerciais em um ano. O resultado nacional foi de queda de 1,2% no número de unidades locais de empresas comerciais, entre 2017 e 2018. Mesmo com o recuo, a Bahia se manteve, em 2018, como o 6º estado do país em número de estabelecimentos comerciais e o líder do Norte-Nordeste nesse indicador. A queda no número de unidades locais comerciais na Bahia levou também à redução no número de trabalhadores. Em 2018, 461.859 pessoas estavam ocupadas nos estabelecimentos comerciais ativos no estado, frente a 490.945 em 2017. Foram menos 29.086 pessoas trabalhando nas empresas do setor em um ano (-5,9%). A Bahia teve a maior redução em termos absolutos no período e a segunda maior redução percentual, acima apenas de Rondônia (-8,3%).

  • Auxílio emergencial: Governo avalia prorrogar benefício em parcelas decrescentes de R$ 500 a R$ 300

    Foto: Willian Silva | Sudoeste Bahia Foto: Willian Silva | Sudoeste Bahia
    Por Luciana Freire

    24/06/2020 - 19:30


    Valor do benefício hoje, pago a trabalhadores informais, é de R$ 600; equipe econômica do governo planeja lançar em seguida um novo programa, chamado Renda Brasil

    ECONOMIA

    - O governo federal avalia prorrogar o pagamento do auxílio emergencial por mais três parcelas em valores decrescentes de R$ 500, R$ 400 e R$ 300. A ideia está em estudo pela equipe econômica. A informação foi divulgada pelo jornal O Globo. O valor do benefício hoje, pago a trabalhadores informais, é de R$ 600. No início desta semana o presidente Jair Bolsonaro já havia descartado a possibilidade da prorrogação do auxílio mantendo este valor. A equipe econômica do governo planeja lançar em seguida um novo programa, chamado Renda Brasil. Segundo fonte da reportagem, seria no valor de cerca de R$ 250. Os detalhes do novo programa ainda estão sendo fechados, mas a ideia é reformular outros benefícios para formar o novo programa. Cada pagamento de R$ 600 custa aos cofres públicos R$ 51 bilhões. Somadas, as três parcelas em valores decrescentes somariam repasses de R$ 1.200.

  • Sem festas juninas, Nordeste terá prejuízo de R$ 1 bilhão na economia

    Foto: Leitor Sudoeste Bahia | Via WhatsApp Foto: Leitor Sudoeste Bahia | Via WhatsApp
    Por Juliana Rodrigues

    24/06/2020 - 07:00


    Somente na Bahia o São João movimenta cerca de R$ 550 milhões

    ECONOMIA

    - O cancelamento das festas de São João no mês de junho, que geram grande lucro para o Nordeste, deve causar um prejuízo de pelo menos R$ 1 bilhão na economia dos principais estados da região, entre eles a Bahia. De acordo com a Folha, a estimativa refere-se apenas às maiores festas juninas dos estados em questão, considerando também Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. Se forem considerados todos os eventos, o impacto é muito maior. Somente na Bahia, o período junino movimenta cerca de R$ 550 milhões na economia, estima o Governo do Estado, bem como gera entre 40 mil e 50 mil empregos.

  • Bolsonaro reafirma que governo não consegue manter valor de R$ 600 em auxílio emergencial

    Foto: Marcos Corrêa | PR Foto: Marcos Corrêa | PR
    Por Kamille Martinho

    22/06/2020 - 16:00


    O presidente chegou a dizer, durante sua live semanal, que vetaria uma ajuda que mantivesse os atuais valores

    ECONOMIA

    - O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (22) que não será possível manter do valor de R$ 600 do auxílio emergencial, repassado pela União durante a pandemia do novo coronavírus. "União não aguenta outro dese mesmo montante que, por mês, nos custa cerca de R$ 50 bilhões. Se o país se endividar demais, vamos ter problema", disse à Folha de S. Paulo. "Vai ser negociado com o presidente da Câmara e do Senado um valor um pouco mais baixo podendo prorrogar por mais dois meses. Talvez a gente suporte, mas não o valor cheio de R$ 600". O presidente chegou a dizer, durante sua live semanal, que vetaria uma ajuda que mantivesse os atuais valores. Entretanto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, já defendeu publicamente a manutenção do valor nas futuras parcelas do benefício.

  • Auxílio emergencial: cerca de 3 milhões aguardam na fila pagamento da primeira parcela

    Foto: Marcello Casal Jr. | Agência Brasil Foto: Marcello Casal Jr. | Agência Brasil
    Por Luciana Freire

    18/06/2020 - 21:00


    De acordo com o presidente da Caixa Pedro Guimarães, essas pessoas tiveram o pedido negado e solicitaram uma nova avaliação

    ECONOMIA

    - Ainda aguardam na fila da Dataprev a análise dos requerimentos da primeira parcela do auxílio emergencial de R$ 600 Um universo de 2,7 milhões de pessoas. A informação foi divulgada pelo jornal O Globo. De acordo com o presidente da Caixa Econômica Federal Pedro Guimarães, essas pessoas tiveram o pedido negado e solicitaram uma nova avaliação. Segundo o balanço da Caixa, 64,1 milhões de pessoas já receberam o auxílio,  no valor total de R$ 83,2 bilhões, considerando as três parcelas.

  • Preços de gasolina e diesel sobem nas refinarias a partir desta sexta

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Luciana Freire

    18/06/2020 - 19:00


    Movimento é o primeiro reajuste neste mês para o diesel, combustível mais utilizado do Brasil

    ECONOMIA

    - A Petrobras informou hoje (18) que haverá um reajuste médio nas refinarias de 8% para o diesel e 5% para a gasolina a partir de amanhã (19). O movimento é o primeiro reajuste neste mês para o diesel, combustível mais utilizado do Brasil, e o segundo para a gasolina, que havia sofrido aumento de 10% no início deste mês. A Petrobras defende que sua política de preços busca seguir valores de paridade de importação, que levam em conta o petróleo no mercado internacional e custos de importadores.

  • Último dia para pedir auxílio emergencial é 2 de julho, diz presidente da Caixa

    Foto: Evaristo Sá | AFP Foto: Evaristo Sá | AFP
    Por Juliana Rodrigues

    18/06/2020 - 16:30


    De acordo com o banco, desde o início dos pagamentos, 64,1 milhões de brasileiros já receberam o benefício, totalizando R$ 83,2 bilhões repassados.

    ECONOMIA

    - O presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Pedro Guimarães, afirmou, nesta quinta-feira (18), que o prazo para brasileiros que tem direito ao recurso solicitarem o auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal é o dia 2 de julho. "A Lei foi promulgada no dia 3 de abril, então temos cerca de mais duas semanas para o auxílio: o último dia é 2 de julho", disse em coletiva de imprensa para apresentação do balanço de pagamentos  do benefício. Ele ainda destacou que, pelas regras do programa, se o dinheiro não for sacado 90 dias após o depósito do mesmo, o recurso é devolvido automaticamente aos cofres públicos. De acordo com o banco, desde o início dos pagamentos, 64,1 milhões de brasileiros já receberam o benefício, totalizando R$ 83,2 bilhões repassados. Por outro lado, 1,5 milhão de pessoas ainda aguardam uma primeira análise de seus cadastros pelo DataPrev. Outros 1,2 milhão estão em reanálise, já que a primeira solicitação foi inconclusiva ou classificada como inelegível. Os dados apresentados pela CEF mostram que as compras virtuais, sejam via QR Code ou débito virtual, já somam R$ 2,55 bilhões. Já o total acumulado de transações financeiras na poupança social são 66,625 milhões. 

  • Quem teve o auxílio emergencial negado poderá contestar na Defensoria Pública

    Foto: Willian Silva | Sudoeste Bahia Foto: Willian Silva | Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    17/06/2020 - 19:00


    Além desta medida, o governo federal também criou um aplicativo exclusivo para quem teve o benefício negado

    ECONOMIA

    - Pessoas que solicitaram o auxílio emergencial de R$ 600 e tiveram o benefício negado poderão solicitar contestação na Defensoria Pública do seu município a partir da próxima segunda-feira (22), segundo o portal Uol. Esta medida foi criada pela defensoria em conjunto com o Ministério da Cidadania, na última terça-feira (16). A decisão determina que quem decidir fazer contestação do resultado poderá apresentar os documentos que comprovam a elegibilidade do recebimento do benefício na unidade da defensoria do seu município. Segundo Onyx Lorenzoni, ministro da Cidadania, o cidadão vai receber o auxílio se estiver dentro do que a lei determina. "O acordo que firmamos permite que a Defensoria Pública possa dar essa assistência, que é gratuita, ao cidadão. O cidadão vai buscar o seu direito e, caso esteja dentro do que a lei determina, receberá o auxílio", explicou. Além desta medida, o governo federal também já adotou outra estratégia para atender quem teve o auxílio negado. No início deste mês, foi lançando um aplicativo exclusivo para que não conseguiu o acesso ao benefício.

  • Aneel estende proibição de corte de energia de consumidores inadimplentes até julho

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Luciana Freire

    15/06/2020 - 18:30


    Medida valerá para todo o Brasil, para todas as residências e para os serviços considerados essenciais

    ECONOMIA

    - A Agência Nacional da Energia Elétrica (Aneel) decidiu hoje (15) prorrogar o prazo de proibição de corte de energia dos consumidores inadimplentes. A medida valerá até 31 de julho. A informação foi divulgada pelo jornal O Globo. A proibição de cortar o fornecimento de energia de inadimplentes está em vigor desde 24 de março e perdia validade na próxima semana. A medida valerá para todo o Brasil, para todas as residências e para os serviços considerados essenciais. "Por força de decretos do poder público, (os consumidores) mantiveram-se em isolamento social e perderam a capacidade de pagamento de suas faturas. Adicionalmente, a proibição da suspensão do fornecimento para essas unidades possibilitou que as distribuidoras focassem esforços nas atividades essencialmente necessárias para manter a continuidade do serviço no momento de pandemia”, disse a diretora da Aneel Elisa Bastos.

  • Micro e pequenas empresas devem ter acesso a crédito esta semana

    Foto: Divulgação | Sebrae Foto: Divulgação | Sebrae
    Por Luciana Freire

    10/06/2020 - 07:30


    Secretário do Ministério da Economia, Carlos Alexandre Jorge da Costa afirmou que os bancos estão fazendo ajustes nos sistemas para começarem a ofertar o crédito

    ECONOMIA

    - As micro e pequenas empresas devem começar a ter acesso ao crédito por meio do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) ainda nesta semana. Segundo a Agência Brasil a informação foi divulgada hoje (9) pelo secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Alexandre Jorge da Costa. O secretário afirmou que os bancos estão fazendo ajustes nos sistemas para começarem a ofertar o crédito. “Esperamos que esta semana ainda o dinheiro chegue na ponta”, disse em transmissão em que apresentava o protocolo lançado pelo Sebrae para a retomada da atividade econômica por micro e pequenos empresários. O presidente Jair Bolsonaro sancionou no dia 19 de maio a lei que cria o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). A Lei nº 13.999/2020 entrou em vigor no mesmo dia e tem como objetivo garantir recursos para os pequenos negócios e manter empregos durante a pandemia do novo coronavírus no país.

  • Governo prorrogará prazos de suspensão de contratos e redução de jornada

    Foto: Reprodução  Foto: Reprodução
    10/06/2020 - 07:00


    Segundo fontes do Ministério da Economia, a MP já atingiu 10 milhões de trabalhadores em todo o Brasil

    ECONOMIA

    - O governo federal decidiu prorrogar, por pelo menos mais um mês, os prazos previstos na Medida Provisória 936/2020, que permite a redução de jornada e de salários em até 70% e a suspensão de contratos de trabalho durante a pandemia do novo coronavírus. As informações são da CNN. Conforme a publicação, a prorrogação será oficialmente anunciada após a MP ser aprovada pelo Congresso. A proposta já foi aprovada pela Câmara e deve ser votada nesta quarta-feira (10) no plenário do Senado. De acordo com o texto aprovado pelos deputados e que deve ser chancelado pelos senadores, as empresas podem suspender os contratos de trabalho de seus empregados por até 60 dias. Já a redução da jornada e dos salários não poderia passar de 90 dias. A decisão do governo é prorrogar cada um desses prazos inicialmente por mais 30 dias. A medida será possível após a Câmara, em acordo com governo, aprovar um dispositivo que permitiu o Executivo prorrogar prazos por meio de um decreto presidencial. Segundo fontes do Ministério da Economia, a MP já atingiu 10 milhões de trabalhadores em todo o Brasil. A meta geral do programa é de beneficiar 24,5 milhões de pessoas. O custo das medidas para os cofres públicos é estimado pelo governo em R$ 51,2 bilhões.

  • Guedes confirma prorrogação do auxílio emergencial por dois meses

    Foto: Marcos Corrêa | PR Foto: Marcos Corrêa | PR
    Por Kamille Martinho

    09/06/2020 - 13:00


    O auxílio é um benefício financeiro concedido pelo governo federal a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados

    ECONOMIA

    - O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou hoje (9) que o auxílio emergencial será prorrogado por mais dois meses, conforme já havia sido anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro e que, durante esse tempo, o setor produtivo pode se preparar para retomar as atividades, com a adoção de protocolos de segurança. As informações são da Agência Brasil. “E depois [a economia] entra em fase de decolar novamente, atravessando as duas ondas [da pandemia e do desemprego]”, disse. O auxílio é um benefício financeiro concedido pelo governo federal a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados, e visa fornecer proteção no período de enfrentamento à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, causador da covid-19. Inicialmente, a previsão era o pagamento de três parcelas de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras). Na semana passada, o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, informou que a eventual prorrogação do auxílio emergencial por mais dois meses deve elevar o custo do programa para um valor entre R$ 202 bilhões e R$ 203 bilhões.

  • Petrobras aumenta em 10% preço da gasolina a partir desta terça

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Luciana Freire

    08/06/2020 - 20:00


    Alta é de R$ 0,13 por litro; repasse de reajustes nas refinarias até os consumidores finais não é imediato

    ECONOMIA

    - A Petrobras vai aumentar em 10% o preço da gasolina nas refinarias a partir da meia-noite desta terça-feira (9). Segundo a estatal, a alta é de R$ 0,13 por litro. Não houve reajuste para o diesel. O repasse de reajustes nas refinarias até os consumidores finais não é imediato. O aumento na gasolina vem após um salto de mais de 19% na última semana nas cotações do petróleo Brent, referência internacional, em meio a movimentações da Opep para manter os cortes na produção. Os preços médios nos postos até a semana passada apontavam queda acumulada de 14,5% em 2020, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), embora com elevação nas últimas duas semanas, depois dos reajustes da Petrobras.

  • Auxílio emergencial: Agências dos Correios já podem realizar cadastro para o benefício

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    08/06/2020 - 19:30


    Foi elaborado um cronograma para o atendimentonas agências dos Correios segundo o mês de nascimento, confira

    ECONOMIA

    - As agências dos Correios já estão habilitadas a fazer o cadastro e solicitar o auxílio emergencial do governo federal no valor de R$ 600. A empresa informou em nota que o atendimento será feito em mais de seis mil agências, a partir de hoje (8), gratuitamente. Os dados serão repassados à Dataprev para análise e posterior envio à Caixa Econômica Federal para efetuar o pagamento. Foi elaborado um cronograma para o atendimento  nas agências dos Correios segundo o mês de nascimento: Segunda-feira - nascidos em janeiro e fevereiro; Terça-feira - nascidos em março e abril; Quarta-feira - nascidos em maio e junho; Quinta-feira - nascidos em julho, agosto e setembro; Sexta-feira - nascidos em outubro, novembro e dezembro. Para realizar o cadastro na agência dos Correios, são necessários os seguintes documentos: identificação oficial com foto, em que conste também o nome da mãe do beneficiário; CPF do usuário e dos membros da família que dependem da renda do titular.