• Decisão de Toffoli sobre Coaf beneficiou esposa do ministro, diz revista

    Foto: Gil Ferreira | Agência CNJ Foto: Gil Ferreira | Agência CNJ
    Por Alexandre Galvão

    19/07/2019 - 07:00


    Essa não a primeira vez que Roberta Rangel entra na mira da Receita

    A decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal da Brasil (STF), Dias Toffoli, de suspender investigações em que houve compartilhamento de informações fiscais por órgãos administrativos sem anuência prévia da Justiça, pode beneficiar a própria mulher do ministro. De acordo com a revista Crusoé, três semanas antes da liminar de presidente do STF, a Receita Federal começou a pedir explicações a empresas que contrataram os serviços do escritório de Roberta Rangel, esposa do magistrado. Essa não a primeira vez que Roberta entra na mira da Receita. Em fevereiro deste ano, o órgão incluiu a advogada  entre contribuintes alvo de investigação por indícios de irregularidades tributárias. É a mesma apuração que também atingiu o ministro do STF Gilmar Mendes e sua mulher, Guiomar Feitosa.

MAIS NOTÍCIAS