• Polícia identifica restos mortais de irmãos gêmeos riachenses que estavam em prédio que caiu em SP

    Foto: Arquivo Pessoal | Divulgação
    Foto: Arquivo Pessoal | Divulgação
    14/05/2018 - 09:42

    Na madrugada do dia 01 de maio, o edifício Wilton Paes de Almeida, situado no Largo do Paissandu, no Centro de São Paulo, o qual era ocupado por 372 pessoas, de 146 famílias, desabou após pegar fogo. Entre as pessoas desaparecidas após o desastre estavam os riachenses Selma Almeida Silva, 40 anos de idade, e os dois filhos gêmeos – Wendel e Werner, 10 anos de idade, que moravam no oitavo andar do prédio, de onde não conseguiram fugir das chamas antes do desabamento. Selma é natural da comunidade quilombola do Agreste, zona rural de Riacho de Santana e trabalhava como catadora de materiais recicláveis na capital paulista, onde chegou há vários anos. O trabalho de buscas se manteve intenso desde o desabamento e, na última quarta-feira (09) a Polícia Técnico-Científica identificou os restos mortais dos irmãos gêmeos, conforme confirmado pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) no sábado (12). "O Núcleo de Biologia e Bioquímica do IC [Instituto de Criminalística] informa que o DNA recolhido dos remanescentes humanos de duas crianças encontrados na última quarta-feira (09) apresentou vínculo genético com o material fornecido pela família dos gêmeos", diz nota da SSP.  Selma ainda é procurada nos escombros. Veja a reportagem do Jornal Nacional:

MAIS NOTÍCIAS