BUSCA PELA CATEGORIA "BRASIL"

  • Doria convida Lula e Dilma para tomarem vacina contra Covid do Instituto Butantan

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Geovana Oliveira

    18/12/2020 - 14:00


    BRASIL

    - O governador João Doria (PSDB) convidou os ex-presidentes do Partido dos Trabalhadores (PT), Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, para receberem doses da vacina contra Covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan. A informação é da coluna Painel, no jornal Folha de S. Paulo. Doria pediu para que o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), fizesse o convite, mas as assessorias dos ex-presidentes não confirmaram o convite. Além dos petistas, Doria já havia convidado José Sarney (1985 a 1990), Fernando Henrique Cardoso (1995 a 2002) e Michel Temer (2016 a 2018). O assessor de Lula afirmou que o ex-presidente está em viagem para Cuba, mas que tomará a vacina do Instituto Butantan assim que estiver disponível. O governo de São Paulo recebeu hoje (18) da China, no aeroporto de Guarulhos, mais 2 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica Sinovac e pelo Instituto Butantan. A previsão é que a campanha de vacinação no estado comece a partir do dia 25 de janeiro.

  • Três ex-presidentes brasileiros tomarão vacina CoronaVac juntos, afirma revista

    Foto: Reprodução | Agência Brasil Foto: Reprodução | Agência Brasil
    Por Tiago Rego | Sudoeste Bahia

    18/12/2020 - 12:00


    BRASIL

    - Três ex-presidentes brasileiros resolveram repetir a iniciativa dos presidentes americanos, Bush, Obama e Clinton, que já anunciaram que irão se vacinar juntos, e devem repetir o gesto também no Brasil. Se tratam de Fernando Henrique, José Sarney e Michel Temer, que aceitaram o convite do governador de São paulo, João Dória (PSDB), e irão propagandear a vacina CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, informou a revista Veja. Os ex-presidentes devem tomar a vacina em meados de janeiro, mais precisamente no dia 25 de janeiro já que, os três, integram o chamado grupo de risco, pois Sarney tem 90 anos, Fernando Henrique 89 e Temer 80. A ideia do ato conjunto é criar um contraponto ao bolsonarismo e seus adeptos, principalmente, a figura do presidente Jair Bolsonaro que já disse por diversas vezes que não vai se vacinar, além de alardear informações sem comprovação científica acerca da vacina.

  • Em caso de demora da Anvisa, estados e municípios poderão usar vacina sem registro, decide ministro do STF

    Foto: Reprodução | Agência Brasil Foto: Reprodução | Agência Brasil
    Por Tiago Rego | Sudoeste Bahia

    18/12/2020 - 07:00


    A decisão de Lewandowski garante que estados e municípios poderão usar vacinas com registro na Anvisa, caso o governo federal não cumpra o Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19

    BRASIL

    - Uma das críticas recorrentes ao Governo Federal, é que está havendo uma demora excessiva por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no que diz respeito ao registro da vacina. Conspirando contra a vacina, o presidente da República, Jair Bolsonaro, chegou a afirmar na última quinta-feira (17), enquanto visitava Porto Seguro, no sul da Bahia, que não vai tomar a vacina. E ainda chamou de idiota quem o vê como mau exemplo por não se vacinar. E, por isso, muito tem se falado na imprensa nacional que, o motivo do atraso da Anvisa na liberação das vacinas, é puro capricho ideológico do presidente e de seus asseclas. E para garantir agilidade no processo de vacinação da população brasileira, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, deu uma decisão liminar permitindo que estados e municípios possam imunizar a população contra a Covid-19 com vacinas autorizadas por uma agência reguladora internacional. A liminar de  Lewandowski atende a um pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Apesar de uma liminar, a decisão já está valendo até passar pelo crivo do STF para ser referendada. Portanto,  se o fabricante pedir registro, a Anvisa, esta por sua vez, terá um prazo de 72 horas para liberar o registro. A decisão de Lewandowski garante que estados e municípios poderão usar vacinas com registro na Anvisa, caso o governo federal não cumpra o Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19.

  • Ministério da Saúde prevê receber 24,7 milhões de doses de vacina contra Covid em janeiro

    Foto: Reprodução | AFP Foto: Reprodução | AFP
    Por Geovana Oliveira

    17/12/2020 - 15:30


    Segundo Pazuello, outras 37,7 milhões de doses devem ser recebidas em fevereiro e 31 milhões em março

    BRASIL

    - O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse hoje (17) que prevê receber 24,7 milhões de doses de vacina contra a Covid-19 em janeiro. A declaração foi feita em sessão remota do Senado para debater os planos de imunização no Brasil contra o coronavírus. Segundo Pazuello, outras 37,7 milhões de doses devem ser recebidas em fevereiro e 31 milhões em março, com base na produção de vacinas de três laboratórios: AstraZeneca (vacina de Oxford), Instituto Butantan e Pfizer. "Se nós aprofundarmos esses números estamos falando de 500 mil doses da Pfizer em janeiro, 9 milhões de doses do Butantan em janeiro, e 15 milhões de doses da Astrazeneca em janeiro. a data exata é o mês de janeiro [...] isso tudo dependendo do registro da Anvisa. Se somarmos esses números, vamos ter 24,7 milhões de doses em janeiro. Isso é daqui a 30 dias, janeiro aqui eu falo meio de janeiro. Não são seis meses. Em fevereiro, repete-se a Pfizer, aumenta o Butantan pra 22 milhões [de doses] e mantém a Astrazeneca 15,2 milhões, vai pra 37,7 milhões de doses. E em março 31 milhões de doses", explicou.

  • Governo entrega novo plano de imunização nacional ao STF

    Foto: Reprodução | Reuters Foto: Reprodução | Reuters
    Por Adele Robichez

    16/12/2020 - 08:00


    Vacinação contra coronavírus no Brasil deve começar em até cinco dias após autorização da Anvisa

    BRASIL

    - O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e o presidente da República Jair Bolsonaro apresentam, hoje (16), um novo plano nacional de imunização contra a Covid-19, através da Advocacia-Geral da União (AGU). A entrega do projeto é uma resposta a uma solicitação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que, após receber o primeiro plano de vacinação na última sexta-feira (11), sentiu falta de alguns dados. No último domingo (13), ele exigiu a adição, nas informações apresentadas, de uma previsão da data de início e término da vacinação e da descrição das suas fases de implementação. O Ministério da Saúde informou também, ontem (15), em um outro documento dirigido ao Supremo Tribunal Federal (STF), que pretende começar a vacinar a população brasileira contra o coronavírus em até cinco dias após a aprovação de algum imunizante pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso no país. Segundo o documento, a imunização deve ser realizada em 16 meses, sendo os quatro primeiros reservados para a vacinação dos grupos de risco para a Covid-19 e os 12 seguintes para o restante da população. O plano protocolado pela AGU não conta com datas específicas, como pedido pelo STF, pois, de acordo com o governo, essa informação só poderá ser definida após o aval da Anvisa.

  • Anvisa estabelece prazo de 10 dias para decisão sobre 'uso emergencial de vacinas'

    Foto: Reprodução | AFP Foto: Reprodução | AFP
    Por Luciana Freire

    14/12/2020 - 16:00


    Agência reforça que nenhum pedido de aprovação emergencial foi apresentado até o momento.

    BRASIL

    - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou hoje (14), em nota, que a análise de pedido de 'uso emergencial de vacinas' terá prazo de até 10 dias para decisão. A informação foi divulgada pela CNN Brasil. "Se todo os documentos necessários tenham sido submetidos à Anvisa pelos fabricantes da vacina, a Anvisa estima que o prazo de até 10 (dez) dias para concluir a avaliação quanto à autorização de uso emergencial, desde que sejam vacinas das empresas que venham apresentando dados para Anvisa e possuem ensaios clínicos em condução no Brasil", informou a Anvisa. O prazo para o registro definitivo pode levar até 60 dias. A agência afirma que "está trabalhando em tempo integral" e também seguirá em atividade nas semanas de Natal e Ano Novo. O órgão também afirmou que ainda não recebeu pedidos de uso emergencial.

  • Casos diários de covid-19 no Brasil se aproximam do pico de julho

    Foto: Geraldo Bubniak | AEN Foto: Geraldo Bubniak | AEN
    Por Kamille Martinho

    14/12/2020 - 11:30


    Os dados são do Monitora Covid-19, do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, da Fundação Oswaldo Cruz (ICICT/Fiocruz)

    BRASIL

    - Desde o início de novembro, os casos de covid-19 no Brasil voltaram a subir e estão quase no mesmo nível do pico de julho, em novos casos diários na média móvel de sete dias. Os dados são do Monitora Covid-19, do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, da Fundação Oswaldo Cruz (ICICT/Fiocruz).  Durante toda a pandemia, o dia em que foram registrados mais casos novos de covid-19 no país foi 29 de julho, com 46.393. Após esse dado, a tendência geral de contágio se manteve em queda, atingindo o mínimo de 16.727 casos novos no dia 6 de novembro. Os dados atualizados ontem (13) apontam para 42.630,29 casos novos. Na sexta-feira (11), o país notificou 43.179,86 casos na média móvel de sete dias. Há um mês, no dia 14 de novembro, a tendência de alta era percebida, com 27.917 casos. No domingo passado (6), chegaram a 41.257,14.

  • Pesquisadores negam terem sido consultados pelo Ministério da Saúde sobre plano de vacinação

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Matheus Simoni

    13/12/2020 - 15:00


    O grupo técnico assessor foi surpreendido no dia 12 de dezembro de 2020 pelos veículos de imprensa que anunciaram o envio do Plano Nacional de Vacinação da COVID-19 pelo Ministério da Saúde ao STF

    BRASIL

    - Um grupo de pesquisadores divulgou uma nota conjunta onde afirma que não foi consultado sobre o plano de vacinação contra a Covid-19 que foi encaminhado pelo governo ao Supremo Tribunal Federal (STF). Os cientistas são listados, no plano, como colaboradores e dizem que o material não foi apresentado previamente e não obteve a anuência dos integrantes do grupo.A nota é assinada por 36 pesquisadores. Do plano do governo encaminhado ao Supremo, constam os nomes de cerca de 150 cientistas como colaboradores."O grupo técnico assessor foi surpreendido no dia 12 de dezembro de 2020 pelos veículos de imprensa que anunciaram o envio do Plano Nacional de Vacinação da COVID-19 pelo Ministério da Saúde ao STF. Nos causou surpresa e estranheza que o documento no qual constam os nomes dos pesquisadores deste grupo técnico não nos foi apresentado anteriormente e não obteve nossa anuência", diz trecho da nota divulgada pelo grupo de pesquisadores. Os cientistas relatam que haviam solicitado uma reunião sobre o plano e manifestado preocupação pela retirada do planejamento "de grupos prioritários" e pela "não inclusão de todas as vacinas disponíveis que se mostrarem seguras e eficazes". O grupo de pesquisadores que assessoraram o Ministério da Saúde reitera a recomendação técnica para que todas as populações vulneráveis, inclusive a carcerária, sejam inseridas na prioridade de vacinação. Eles também pedem a ampliação dos grupos prioritários de forma a abranger todos os trabalhadores de educação e de áreas essenciais. Veja a íntegra da nota do grupo de cientistas: Nota pública do Grupo Técnico do “Eixo Epidemiológico do Plano Operacional Vacinação Covid-19”, 12 de dezembro de 2020. O grupo técnico assessor foi surpreendido no dia 12 de dezembro de 2020 pelos veículos de imprensa que anunciaram o envio do Plano Nacional de Vacinação da COVID-19 pelo Ministério da Saúde ao STF. Nos causou surpresa e estranheza que o documento no qual constam os nomes dos pesquisadores deste grupo técnico não nos foi apresentado anteriormente e não obteve nossa anuência. Importante destacar que o grupo técnico havia solicitado reunião e manifestado preocupação pela retirada de grupos prioritários e pela não inclusão de todas as vacinas disponíveis que se mostrarem seguras e eficazes. Reiteramos nossa recomendação técnica para que todas populações vulneráveis sejam incluídas na prioridade de vacinação, como indígenas, quilombolas, populações ribeirinhas, privados de liberdade e pessoas com deficiência. Além dessas, também as outras populações e grupos populacionais já incluídos e apresentados no plano inicial do governo. Outro ponto importante a ser considerado é a ampliação do escopo para todos os trabalhadores da educação e também a inclusão, nos grupos de vacinação, para os trabalhadores essenciais. Novamente, vimos solicitar do governo brasileiro esforços do Ministério da Saúde para que sejam imediatamente abertas negociações para aquisição de outras vacinas que atendam aos requisitos de eficácia, segurança e qualidade, inclusive com laboratórios que reúnam condições de produção e oferta de doses de vacina e com outras empresas também com oferta de vacinas seguras e eficazes. Portanto, é mister considerar que um atraso na campanha de vacinação significa vidas perdidas e precisamos nesse momento utilizar a ciência para a tomada de decisão que norteará o que mais importa, a preservação de vidas de milhares de brasileiros e brasileiras. Essa é a mais importante tarefa de nosso tempo e todos os esforços devem ser envidados para a sua realização oportuna, segura e efetiva. Participantes do Grupo Técnico do “Eixo Epidemiológico do Plano Operacional da Vacinação contra COVID-19”

  • Empresas de ônibus interestaduais ajudarão no transporte das vacinas

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Juliana Rodrigues

    11/12/2020 - 11:30


    Mais de 70 empresas de transporte regular rodoviário vão apoiar a empresa aérea Azul no transporte das vacinas para até 5 mil municípios do Brasil.

    BRASIL

    - As empresas de ônibus de transporte interestadual representadas pela Abrati, associação que representa as empresas de transporte regular, vão integrar a força tarefa liderada pela empresa Azul para transportar vacinas contra a Covid-19. A companhia aérea azul anunciou que está colocando à disposição das autoridades brasileiras o transporte gratuito das vacinas contra a covid-19 pelo país utilizando sua malha de voos existente. Para auxiliar a Azul, as empresas regulares de transporte interestadual ofereceram apoio para complementar o transporte das vacinas da Covid-19 gratuitamente, possibilitando assim expandir o atendimento a mais de 5 mil municípios espalhados pelo país. “No nosso país, existem localidades que só são acessadas pelas rodovias e nesse sentido sabemos da importância do papel das empresas de ônibus para auxiliar na distribuição da vacina tão aguardada por todos os brasileiros” explica Eduardo Tude, presidente da Abrati. A logística da operação ainda será definida pelas autoridades de Saúde. A Azul irá montar sua operação, sabendo que pode contar com as empresas da Abrati para dar cobertura, levando a vacina com segurança aos munícipios mais afastados das cidades onde estão os aeroportos.

  • Bolsonaro muda orientação e manda Pazuello acelerar o processo de vacinação no Brasil, diz coluna

    Foto: Reprodução | Redes Sociais Foto: Reprodução | Redes Sociais
    Por Kamille Martinho

    10/12/2020 - 12:00


    BRASIL

    - O presidente Jair Bolsonaro mandou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, mudar o discurso sobre o início da vacinação no país, após desgaste em torno do assunto. Pazuello chegou a dizer que a imunização no Brasil começaria só em março, depois, em reunião com governadores, falou em iniciar no final de fevereiro, e agora, o ministro fala na possibilidade de a vacinação começar no final de dezembro ou início de janeiro de 2021. "A ficha caiu. O presidente entendeu que o desgaste estava só aumentando e caindo no colo dele. Aí mandou o ministro Pazuello ajustar seu discurso, porque, caso contrário, a população ficaria com a avaliação de que o governo trabalha, por questões políticas, para postergar a vacinação", disse um interlocutor do presidente da República ao blog do jornalista Valdo Cruz, no G1. O governo busca iniciar a imunização com a vacina da Pfizer e não com a Coronavac, desenvolvida no estado de São Paulo pelo Instituto Butantan e pela farmacêutica chinesa Sinovac.

  • 'Vacinação da Pfizer pode começar em dezembro ou janeiro', diz Pazuello

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Luciana Freire

    10/12/2020 - 07:00


    O ministro destacou que o contrato do governo federal com a Pfizer, para comprar 70 milhões de doses, está sendo negociado ainda

    BRASIL

    - O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse hoje (9) que a vacinação contra Covid-19 no Brasil com o imunizante desenvolvido pela Pfizer/BioNTech pode começar entre dezembro e janeiro. "Se a Pfizer conseguir a autorização emergencial e nos adiantar alguma entrega, isso [o início da vacinação] pode acontecer no final de dezembro ou em janeiro", afirmou. "Isso em quantidades pequenas, de uso emergencial", disse o ministro em entrevista à CNN. Pazuello destacou que o contrato do governo federal com a Pfizer, para comprar 70 milhões de doses, está sendo negociado ao destacar que falava em "hipótese" ao tratar do início da vacinação em breve.

  • Anvisa alerta para possível primeiro caso de fungo fatal resistente a medicamentos no Brasil

    Foto: Juan Gaertner | Shutterstock Foto: Juan Gaertner | Shutterstock
    Por Adele Robichez

    08/12/2020 - 16:45


    Amostra do Candida auris foi encontrada em hospital na Bahia

    BRASIL

    - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alertou ontem (7) para um possível caso positivo no país de um fungo fatal, resistente a medicamentos, o Candida auris. Ele é responsável por infecções hospitalares e um dos mais temidos no mundo. De acordo com a Anvisa, o fungo foi identificado em uma “amostra de ponta de cateter de paciente internado em UTI adulto em hospital na Bahia”. A amostra foi analisada pelo Laboratório Central de Saúde Pública Professor Gonçalo Moniz (Lacen-BA), em Salvador, e pelo Laboratório do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). O fragmento ainda será submetido a mais análises para verificar o perfil de sensibilidade e resistência do fungo. A Anvisa afirmou ainda que o C. auris “é um fungo emergente que representa uma séria ameaça à saúde pública”. Estimativas apontam que infecções invasivas do fungo tenham levado à morte de entre 30% a 60% dos pacientes em todo o mundo. Por conta disso, a agência recomendou, diante da suspeita, o reforço da vigilância laboratorial do fungo em todos os serviços de saúde do país, além da adoção de medidas de controle e prevenção para evitar um surto.

  • Morre 19ª vítima de acidente com ônibus no interior de Minas Gerais

    Foto: Reprodução | Redes Sociais Foto: Reprodução | Redes Sociais
    Por Danielle Campos

    07/12/2020 - 06:30


    BRASIL

    - Mais uma vítima do acidente com o ônibus que caiu de um viaduto da BR-381, na cidade de João Monlevade, na região central de Minas Gerais, morreu na noite deste sábado (5), chegando a 19 mortes em decorrência do incidente. Não há mais detalhes sobre a vítima, que era uma mulher e estava internada na cidade. O corpo já foi transferido para o Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte. De acordo com o último boletim divulgado pela Defesa Civil de Minas Gerais, 12 pessoas estavam internadas em unidades de saúde de João Monlevade e três em Belo Horizonte, até o fim da tarde de ontem. Um novo balanço deve ser divulgado em breve. As identidades das vítimas fatais não foram divulgadas. Havia 45 pessoas no ônibus que saiu de Mata Grande (AL) com destino a São Paulo. Destas, sete sofreram ferimentos leves, foram atendidas e receberam alta. Outros três passageiros não precisaram de atendimento hospitalar. E uma pessoa ainda não foi localizada.

  • Sobe para 18 número de mortos em acidente de ônibus em Minas Gerais

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Geovana Oliveira

    05/12/2020 - 17:45


    BRASIL

    - Subiu para 18 o número de mortos no acidente do ônibus que caiu ontem (4) da Ponte Torta, na BR-381, em Minas Gerais, conforme última atualização da Polícia Civil do estado. Segundo a Agência Brasil, a polícia informou que dos 45 passageiros, 13 estão hospitalizados em um hospital em Monlevade, três foram transferidos para Belo Horizonte e estão no hospital João XXIII. O ônibus saiu do município de Mata Grande, no interior de Alagoas e levava os passageiros para São Paulo quando caiu da ponte em Minas Gerais.

  • CNHs que tiveram prazos de validade vencidas em 2020, ganham mais um ano de validade

    Foto Pública: Arquivo Detran Foto Pública: Arquivo Detran
    Por Redação do Sudoeste Bahia

    02/12/2020 - 07:00


    BRASIL

    - Conforme resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que entrou em vigor na última terça-feira (01), determina que as Carteiras Nacionais de Habilitação (CNH), com prazo de validade expirado em 2020, terão mais um ano de validade. As informações são Agência Brasil. A medida inclui ainda a Autorização para Conduzir Ciclomotores (ACC) e a Permissão Para Dirigir (PPD), documento provisório utilizado no primeiro ano de habilitação do condutor. E para fins de fiscalização, de acordo com o Contran, documentos de CNH vencidos em 2020 deverão ser aceitos até dia 31 de dezembro de 2021.

  • Eleições municipais: MDB lidera número de prefeitos e PSDB de eleitorado

    Foto: Reprodução  Foto: Reprodução
    Por Adele Robichez

    30/11/2020 - 07:00


    Os partidos que governarão para as maiores populações e economias são o PSDB, DEM, MDB e PSD

    BRASIL

    - Os resultados finais das eleições municipais deste ano mostram que quatro partidos serão principais representantes das maiores populações e economias do Brasil. São eles o PSDB, o DEM, o MDB e o PSD, que, juntos, somam mais de 20 milhões de habitantes e mais de 10% do PIB brasileiro. O PSDB, após eleição de Bruno Covas em São Paulo no segundo turno, governará para mais de 34 milhões de pessoas, em 520 municípios com economia total superior à R$ 1,449 trilhão. O MDB foi eleito em 782 municípios e é a sigla com mais representantes eleitos. Ao todo, administrará 26 milhões de pessoas e R$ 724,2 bilhões de PIB, de acordo com os últimos dados do IBGE. O DEM, que elegeu Eduardo Paes no Rio de Janeiro ontem (29), estará presente em 463 cidades, será representante de mais de 24 milhões de brasileiros, com economia de R$ 829,6 bilhões. E o PSB, em quarto lugar no ranking, conquistou 654 cidades com quase 23,5 milhões de habitantes e economia de mais de R$ 705 bilhões.

  • Taxa de desemprego no Brasil bate novo recorde, aponta IBGE

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    Por Tiago Rego | Sudoeste Bahia

    28/11/2020 - 12:00


    BRASIL

    - A taxa de desemprego brasileira medida pelo IBGE desde 2012, atingiu o maior índice da série histórica. A taxa de desemprego chegou em 14,6%, o que implica em 14,1 milhões de desempregados, demonstram os dados divulgados na última sexta-feira (27). O IBGE apontou como um dos motivos para um acréscimo de 1,3 milhão ao número de desempregados, se deve a flexibilização da população brasileira em meio a pandemia, em que muitas pessoas estão procurando emprego. Ainda segundo o IBGE, a taxa ainda deve subir com o fim do auxílio emergencial.

  • Recadastramento de aposentados está suspenso até o fim do ano

    Foto: Reprodução | Agência Brasil Foto: Reprodução | Agência Brasil
    Por Cristiele França

    28/11/2020 - 10:00


    BRASIL

    - A exigência da prova de vida anual de aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) está suspensa até o fim do ano. A Secretaria de Previdência do Ministério da Economia informou, no início da noite, que publicará, na segunda-feira (30), uma portaria com a prorrogação da medida. De acordo com a Agência Brasil, a prova de vida anual obrigatória deixou de ser exigida desde o dia 18 de março de 2020, como medida de proteção no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. A medida, no entanto, não afeta o recebimento de proventos e pensões. Com o adiamento da retomada da prova de vida, quem não fez o procedimento entre março e dezembro desse ano, não terá o benefício bloqueado até o fim de janeiro. Realizada todos os anos no mês de aniversário do beneficiário, a comprovação de vida é exigida para a manutenção do pagamento do benefício. A prova de vida exige o comparecimento do segurado ou de algum representante legal ou voluntário à instituição bancária onde saca o benefício. Desde agosto do ano passado, o procedimento pode ser feito por meio do aplicativo Meu INSS ou pelo site do órgão por beneficiários com mais de 80 anos ou com restrições de mobilidade. A comprovação da dificuldade de locomoção exige atestado ou declaração médica. Nesse caso, todos os documentos são anexados e enviados eletronicamente.

  • IBGE: expectativa de vida do brasileiro cresce para 76,6 anos

    Foto: Reprodução | Agência Brasil Foto: Reprodução | Agência Brasil
    Por Metro 1

    26/11/2020 - 13:00


    BRASIL

    - A expectativa de vida do brasileiro subiu três meses em 2019, passando de 76,3 anos em 2018 anos para 76,6 anos, segundo dados divulgados hoje (26), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados estão na Tábua Completa de Mortalidade de 2019, publicada no Diário Oficial da União (DOU). O aumento, embora pequeno, mantém a tendência de crescimento da taxa por anos consecutivos. Há quase dez anos, em 2011, a esperança de vida do brasileiro era de 74,1 anos. No ano seguinte, passou para 74,6 anos e depois para 74,9 anos. Em 2014, a taxa ficou em 75,2 anos; em 2015, em 75,5 anos; em 2016, 75,8 anos; em 2017, 76 anos; e, em 2018, foi de 76,3 anos. O IBGE deve detalhar o documento ainda nesta quinta-feira. Os dados apresentam as expectativas de vida às idades exatas até os 80 anos, trazendo informações por sexo. A Tábua de Mortalidade é usada como um dos parâmetros para determinar o fator previdenciário, no cálculo das aposentadorias do Regime Geral de Previdência Social.

  • Senado aprova aumento de pena para racismo e homofobia no país

    Foto: Reprodução  Foto: Reprodução
    Por Juliana Rodrigues

    26/11/2020 - 11:00


    Projeto segue para votação na Câmara dos Deputados

    BRASIL

    - O Senado aprovou ontem (25) um projeto que prevê pena maior para crimes cometidos por racismo, intolerância religiosa e homofobia. A proposta agora seguirá para votação na Câmara dos Deputados. E, caso seja aprovada, a lei ainda terá que ser sancionada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, para entrar em vigor. Não foi definido, porém, em quanto tempo a pena poderá ser aumentada nesses casos. A discriminação e o preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional são considerados crimes no Brasil. E em 2019, além desses, o Supremo Tribunal Federal (STF), reconheceu também os crimes de homofobia e transfobia.