• Caetité: Centenas de pessoas prestaram suas últimas homenagens ao Mestre Imburana

    Foto | Willian Silva - Sudoeste Bahia
    Foto | Willian Silva - Sudoeste Bahia
    Por Willian Silva

    11/06/2019 - 10:08

    No fim da tarde desta segunda-feira (10), centenas de pessoas compareceram ao sepultamento do professor de capoeira, Mestre Imburana. Durante o velório, missa e enterro, comoção, dor e sentimento de justiça fizeram parte dos discursos ao jovem Wagner. O bairro onde o professor morava, o sentimento de consternação era visível no rosto dos moradores do Nossa Senhora da Paz. O templo católico do bairro ficou pequeno para receber uma grande quantidade de amigos, familiares e admiradores do capoeirista. Praticantes do esporte de outros municípios a exemplo de Bom Jesus da Lapa e Riacho de Santana vieram para prestar as suas homenagens e também participar do velório e sepultamento ocorrido no cemitério Bosque da Paz.Uma pessoa ouvida pelo Sudoeste Bahia, que preferiu o anonimato disse que “quero que a justiça seja feita. Vá (Wagner) era uma pessoa boa, ajudava a todos no bairro. Era um bom pai de família. Eu quero justiça, nós queremos justiça”, disse uma pessoa.Na saída do corpo, da Igreja Nossa Senhora da Paz, paz eram o que muitos pediam. Um corredor de capoeiristas, muitos integrantes do projeto “Grupo de Capoeira Ginga Bahia”, do qual Imburana era professor e foi aluno, entoavam cânticos da capoeira. Um dos que ficou gravado na memória do nosso repórter foi “Meu mestre, adeus, que eu já vou me (sic) embora”. O cântico era entoado em meio as vozes embargadas ou vozes mais altas com o sentimento de perda misturada a revolta pela morte prematura e violenta do jovem Wagner. A Polícia Civil segue com as investigações no intuito de prender o autor do assassinato. O Sudoeste Bahia se solidariza com a família pela perda prematura do professor Imburana.