• Caetité: Instituto de Educação Anísio Teixeira passa por reforma e tem aulas retomadas nesta segunda-feira (04)

    Foto: Paulo Haran | Sudoeste Bahia
    Foto: Paulo Haran | Sudoeste Bahia
    04/06/2018 - 13:26

    Após pouco mais de duas semanas, os alunos do Instituto de Educação Anísio Teixeira (IEAT), em Caetité, retornaram as aulas nesta segunda-feira (04). A interrupção das atividades se deu por conta da reforma estrutural total que acontece no prédio, o qual teve a última reforma em 1996 e necessita de reparos urgentes e, inclusive, será toda climatizada. Em entrevista ao site Sudoeste Bahia, a vice-diretora do instituto, Alexandra Gama falou sobre a execução do serviço e as ações realizadas, as quais não prejudicarão o período letivo dos 1.317 alunos. “A instituição de ensino foi construída em 1949 e esta é a segunda grande reforma, a anterior foi em 1996. Com o tempo, a escola foi se deteriorando: as janelas estavam estragadas, as pinturas, havia problemas nas redes elétrica e hidráulica – fazendo com que houvesse grande quantidade de consumo, entre outros problemas detectados. No total, a reforma deve demorar cerca de um ano, devido a dimensão do espaço físico, pois temos 44 salas, 20 de aulas e as demais extras (direção, CPA, biblioteca, etc). A reforma teve início pelo telhado e depois para a parte das salas , onde foram colocados os revestimentos de parede, o que gerou muita poeira e entulho, sendo necessário a suspensão das aulas, porém, de forma que os alunos não foram prejudicados, inclusive os da zona rural (157 alunos) não prejudicando o ano letivo, sendo todo o processo monitorado pela Secretaria de Educação, pois a reforma é de extrema importante para o instituto, pelo que ele representa e representou para a comunidade Caetiteense e região", explicou, A vice-diretora solicitou ainda aos pais e responsáveis que ajudem na manutenção da escola, pedindo aos filhos “ que colaborem com a escola no sentido de não ficarem rabiscando as paredes, depredando o mobiliário escolar, quebrando o banheiro. A escola é de todos e temos que zelar por aquilo que nos pertence e a toda a comunidade”, ressaltou Alexandra Gama.