• Em assembleia, professores da Uneb aprovam indicativo de greve

    Foto: Jorge Santana | Sudoeste Bahia
    Foto: Jorge Santana | Sudoeste Bahia
    09/10/2017 - 22:56

    Os professores da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) realizaram uma assembleia geral nesta segunda-feira (09/10) onde foi aprovado um indicativo de greve da categoria. Além da Uneb, a Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), a Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e a Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) já tinham indicativo de greve deliberado por suas respectivas categorias. As reivindicações do docentes são: destinação depelo menos 7% da Receita Líquida de Impostos (R.L.I.) do estado ao orçamento anual das universidades estaduais, com revisão do percentual a cada dois anos; recomposição salarial de 30,5%; cumprimento dos direitos trabalhistas dos docentes, como promoções na carreira, adicional de insalubridade, mudança de regime de trabalho, reimplantação da licença sabática; e ampliação e desvinculação de vaga/classe do quadro de cargos de provimento permanente do Magistério Público às Universidades Estaduais da Bahia (Ueba). De acordo com os professores da universidade, as reivindicações são fruto da falta de comprometimento do governo Rui Costa, com as Ueba, que "nega direitos trabalhistas e orçamento digno às universidades e divulga à imprensa que as finanças do estado estão saudáveis". "Mais de 440 professores das Ueba, sendo 299 na Uneb, permanecem com seus direitos à promoções e alterações de regime de trabalho negados. Além disso, faltam recursos à infraestrutura da universidade, à criação de restaurantes universitários e postos de atendimento médico, atrasos em bolsas de pesquisa e permanência estudantil, entre outros problemas”, afirmou Vamberto Ferreira, diretor da Associação dos Docentes da Uneb (Aduneb). Além do indicativo de greve, uma paralisação de 24h, com portões fechados, foi agendada para o dia 28 de novembro em todas as unidades da Uneb. Neste dia, deverão ser realizados protestos locais em todos os 24 campi da universidade, na capital e no interior. A expectativa é que a paralisação aconteça nas quatro Ueba. A coordenação do Fórum das ADs, que reúne representações docentes de Uneb, Uefs, Uesc e Uesb, também encaminhou nesta tarde uma nova solicitação de reunião aos representantes das secretarias da Educação (SEC) e Administração (Saeb). De acordo com a categoria, a pauta de reivindicações 2017 está protocolada junto ao governo desde 19 de dezembro do ano passado.