• Após empresário dizer que não há delegacia em Caetité, delegado ressalta que casos por ele relatados em entrevista não foram registrados

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    11/10/2018 - 18:00

    Durante entrevista no programa Giro de Notícias, na rádio Star FM, em Caetité, o empresário Antônio Rodrigues dos Santos, conhecido como “Toe da Sorveteria Tropical”, relatou ter ocorrido duas tentativas de assaltos em locais de sua propriedade: uma no último domingo (07), quando um homem munido de uma faca fez ameaças em frente ao seu comércio localizado na Praça Jairo Pontes (Parques das Árvores) e a segunda na madrugada de quarta-feira (10), em um galpão na Rua Coração de Maria no Bairro Pedro Cruz. Segundo a vítima, na madrugada de quarta, foi informado que o Boletim de Ocorrência (BO), deveria ser registrado em Guanambi, pois a delegacia de Caetité não dispõe de plantão. "Pensando que eu morava em uma cidade, mas fui vê que estou morando em um lugar que não existe nada, nem delegacia. Você tem que ir para Guanambi. Que cidade é essa! Tudo que a gente faz é em Guanambi. Sair da cidade para registrar uma queixa em Guanambi é revoltante", disse Antônio durante a entrevista. Convidado a falar sobre o assunto, em entrevista a mesma emissora nesta quinta-feira (11), o Coordenador Regional da 22ª Coorpin, delegado Clécio Magalhães disse estar surpreso com a reclamação da vítima, pois a delegacia está a disposição da população de segunda a sexta em horário comercial e plantão no final de semana. Ressaltou, que embora não haja plantão à noite durante a semana, quando há flagrante o suspeito é encaminhado à Guanambi para registro e quando não há a vítima é orientada a retornar no dia seguinte para fazer o registro da ocorrência. “A gente entende a indignação da vítima e de outras pessoas que recorrem à delegacia. No caso dele, no domingo, quando relatou ter sido ameaçado, a Polícia Civil não foi procurada para registrar o fato, a polícia não foi provocada para realizar o procedimento judiciário necessário. Na quarta-feira, a Polícia Civil também não foi acionada. Seu Antônio disse ainda que em Caetité não tem delegacia, o que me deixou muito surpreso, destacando aqui o trabalho do plantão regional da delegacia. Quero dizer que a delegacia de Caetité trabalha em regime administrativo durante a semana e no final de semana há ainda um mini plantão regional a partir das 20h de sexta-feira até segunda às 8h, tendo a disposição delegado, dois investigadores e um escrivão. No dia que ele conta o domingo, a delegacia estava de plantão, então houve algum equívoco, pois ela não foi acionada e não recebeu nenhum comunicado. O segundo fato, na quarta-feira, infelizmente, à noite a delegacia não tem plantão, e quando há flagrante é encaminhado à Guanambi. Quando não há flagrante o usuário procura a delegacia no dia seguinte pela manhã, registra o fato e a equipe realiza o procedimento judiciário. Quanto a nova delegacia que foi inaugurada recentemente, devido a um problema de serviço Intranet (via serviço da operadora OI) , de responsabilidade do governo do estado e da Secretaria de Segurança Pública, o link ainda não foi instalado, o que impede do sistema funcionar. Sem o sistema não há como realizar as atividades da Polícia Civil e por esse motivo a unidade ainda não está em uso”, explicou o delegado. Ouça a íntegra da entrevista:

MAIS NOTÍCIAS