• Mesmo proibido, chumbinho pode ser facilmente comprado em Caetité e região

    Foto: Paulo Haran | Sudoeste Bahia
    Foto: Paulo Haran | Sudoeste Bahia
    19/06/2018 - 18:00

    O chumbinho não tem gosto ou cheiro, o que aumenta o risco de ingestão acidental, principalmente por animais e crianças.

    O chumbinho, agrotóxico que leva o nome de aldicarbe, deveria ter sido banido do mercado brasileiro, após ser proibida expressamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A agência constatou que ele era usado de forma irregular como raticida doméstico e pode ter sido responsável por quase 60% dos 8 mil casos de intoxicação relacionados a chumbinho no Brasil todos os anos, entre eles, pela morte de muitos adultos, crianças e animais envenenados. Além disso, o chumbinho não tem gosto ou cheiro, o que aumenta o risco de ingestão acidental, principalmente por animais e crianças.

    Foto: Reprodução
    Foto: Reprodução

    A agência destaca ainda que o chumbinho é um produto clandestino e que no rótulo não há quaisquer orientações quanto ao manuseio e à segurança, informações médicas, telefones de emergência, descrição do ingrediente ativo e antídotos que devem ser utilizados em casos de envenenamento, o que dificulta a ação de profissionais de saúde no atendimento a pessoas intoxicadas. Os sintomas típicos de intoxicação por chumbinho são registrados em menos de uma hora após a ingestão e incluem náuseas, vômito, sudorese, salivação excessiva, visão borrada, contração da pupila, dor abdominal, diarreia, tremores e taquicardia. A reportagem do site Sudoeste Bahia sondou vários comércios de Caetité em busca do chumbinho e conseguiu encontrar o produto com muita facilidade. Na cidade, o preço varia entre R$ 5 e R$ 20 e pode ser facilmente comprado. Quem vende este tipo de veneno comete um crime contra a saúde pública, com pena que vai desde multa até três anos de prisão. A loja também pode ser fechada. Como o produto é vendido de forma clandestina, a vigilância sanitária, que fiscaliza este setor, depende de denúncias da população para poder agir.

  • Caetité
    Noticias de Caetité

MAIS NOTÍCIAS