BUSCA PELA CATEGORIA "Justiça"

  • PF cumpre mandado no apartamento de Lúcio Vieira Lima em Salvador

    Foto: Lúcio Bernardo Jr | Câmara dos Deputados Foto: Lúcio Bernardo Jr | Câmara dos Deputados
    16/10/2017 - 06:00

    Além de cumprir mandado de buscar e apreensão no gabinete do deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB) em Brasília, a Policia Federal também realiza uma operação em Salvador, segundo informações da jornalista Camila Bonfim, da Globo News. De acordo com a jornalista, a PF cumpre dois mandados em endereços ligados ao parlamentar. Um é no apartamento de Lúcio Vieira Lima, que é vizinho do de Geddel. A ação da PF foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR). Lúcio é irmão do ex-ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB), preso após investigadores apreenderem R$ 51 milhões em um imóvel atribuído ao político. Segundo a PF, é a maior apreensão de dinheiro vivo da história da corporação.

  • Recibos apresentados por Lula são falsos, diz Lava Jato

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    06/10/2017 - 14:02

    Os recibos apresentados pelo ex-presidente Lula sobre um suposto aluguel de um apartamento são falsos, segundo a força-tarefa da Lava Jato. O Ministério Público Federal (MPF) protocolou na noite da última quinta-feira (05/10) ao juiz Sergio Moro o chamado “incidente de falsidade” para apurar a autenticidade dos documentos. De acordo com O Globo, o MPF disse que as provas demonstram que o contrato de aluguel do apartamento e os recibos são “papéis criados para disfarçar a real titularidade do imóvel usado pelo ex-presidente, que foi comprovadamente comprado com recursos oriundos da Odebrecht”. Os recibos, referentes ao período entre agosto de 2011 e novembro de 2015, foram apresentados pelos advogados de Lula no último dia 26. O material chamou a atenção dos investigadores por apresentar incorreções: dois deles trazem datas que não existem — 31 de junho de 2014 e 31 de novembro de 2015. Outros seis recibos trazem erros de digitação. O nome da cidade onde fica o apartamento foi escrito como “São Bernanrdo”. Lula comprou o apartamento 122 do Edifício Green Hill, em São Bernardo do Campo, em 2000. Durante seus dois mandatos, o governo federal alugou o imóvel vizinho, de número 121 por questões de segurança e o contrato expirou em janeiro de 2011. No fim de 2010, o apartamento foi colocado à venda e o comprador foi Glaucos Costamarques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula. O ex-presidente nega as acusações e alega ser vítima de lawfare, em tradução livre, guerra jurídica com manipulação do sistema legal.

  • MP pede suspensão de contratos com artistas para festas em Livramento de Nossa Senhora

    Foto: Reprodução | 88 FM Foto: Reprodução | 88 FM
    04/10/2017 - 22:44

    O Ministério Público estadual ajuizou ação civil pública contra o Município de Livramento de Nossa Senhora pedindo que a Justiça determine a suspensão de contratos já firmados com artistas e com empresas para estrutura e organização de festas previstas para amanhã, dia 5, e dias 6 e 11 deste mês, na cidade. Segundo o promotor de Justiça Millen Castro, autor da ação, o “Executivo Municipal parece não se dar conta da gravidade da situação socioeconômica da população de zonas rurais que se encontram passando necessidades derivadas da estiagem excessiva”. Ele complementou que, durante os festejos juninos, o Município gastou mais de R$ 600 mil e agora, menos de 100 dias depois, promove festas com gastos de R$ 50 mil com contratação de empresas e artistas. Isso acontece mesmo após ser declarada situação de emergência e de o próprio prefeito ter decretado medidas de contingenciamento de despesas por conta da diminuição da receita para equilibrar as contas públicas. “A situação de emergência, considerada em decreto estadual, e a situação de crise financeira que abala o Município, reconhecida em decreto municipal, estabelecem que o dispêndio de tanto dinheiro com festejos gera grave prejuízo público, principalmente à população mais carente”, destacou o promotor de Justiça.

  • Ministro do STF diz que Senado pode rever afastamento de Aécio

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    27/09/2017 - 19:03

    O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta quarta-feira (27/09) que o Senado Federal tem autonomia para analisar a decisão da Corte que afastou o tucano Aécio Neves (PSDB) de suas funções parlamentares. “Sustentei, sem incitar o Senado à rebeldia, na minha decisão, que, como o Senado pode rever uma prisão determinada pelo Supremo, ele pode rever uma medida acauteladora”, disse Marco Aurélio a jornalistas, ao chegar à sessão do STF. Ele acrescentou que não está “incitando o Senado a reverter a decisão”. Na terça-feira (26/09) a primeira turma do STF afastou Aécio e determinou que ele cumpra recolhimento domiciliar. Os ministros analisaram pedido que havia sido feito pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot.

  • Câmara aprova inclusão de nome de devedor de pensão alimentícia no SPC

    Foto: Gabriela Korossy | Câmara dos Deputados Foto: Gabriela Korossy | Câmara dos Deputados
    26/09/2017 - 22:32

    A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara (CCJ) aprovou nesta terça-feira (26/09) proposta que torna obrigatória a inclusão dos nomes dos devedores de pensão alimentícia na lista dos serviços de proteção ao crédito (PL 799/11). A proposta altera a Lei 5.478/68, que dispõe sobre a ação de alimentos. O texto aprovado foi elaborado pelo relator, deputado Antonio Bulhões (PRB-SP), com base no Projeto de Lei 799/11, do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), e outros três semelhantes. Como tramita em caráter conclusivo, a matéria segue agora para análise do Senado. Bulhões explicou que atualmente o devedor de pensão alimentícia já acaba inscrito em cadastros de inadimplentes, mas “por via transversa”, porque a última medida para tentar receber a pensão alimentícia é a Justiça determinar um protesto extrajudicial. Como todos que sofrem protesto são incluídos em listas de inadimplentes, na prática, os devedores de alimentos acabam inscritos. “Mas as proposições em exame tornam essa previsão normativa, para a determinação pelo juiz, de ofício, além do protesto extrajudicial, também a inclusão em cadastros de inadimplentes. Dessa forma será mais rápido o cadastro, e mais efetivo”, avaliou Bulhões.

  • Justiça determina efetivo de 80% nos Correios

    Foto: Jorge Santana | Sudoeste Bahia Foto: Jorge Santana | Sudoeste Bahia
    26/09/2017 - 16:03

    Em greve por tempo indeterminado, os Correios terão de manter efetivo de 80%, de acordo com decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST). O eventual descumprimento da decisão será punido com multa diária de R$ 100 mil. Levantamento divulgado pela empresa mostra que mais de 98 mil funcionários (90,6% do total) não aderiram à paralisação, mas em algumas unidades o porcentual de atendentes é inferior ao decidido pelo TST. Segundo o site Congresso em Foco, a greve atinge 23 estados – inclusive a Bahia – e o Distrito Federal. De acordo com os sindicalistas, a adesão tem aumentado nos locais em que foi declarada a paralisação, que afeta principalmente a área de distribuição. Os Correios e a Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) chegaram a uma proposta de Acordo Coletivo de Trabalho para o biênio 2017/2018. O acerto prevê reajuste de 3% nos salários e benefícios a partir de janeiro do próximo ano e manutenção do acordo de 2016 e 2017. Os trabalhadores decidem nesta terça se continuam a greve ou aceitam a negociação. O TST intermedeia, ainda, a cláusula do plano de saúde reivindicada pelos empregados da estatal.

  • Site revela que INB estaria na mira da Lava Jato por supostas práticas de financiamento indireto de campanha

    Foto: Divulgação | INB Foto: Divulgação | INB
    26/09/2017 - 12:10

    O site Relatório Reservado publicou nesta terça-feira (26/09) que a Operação Lava Jato irá investigar supostas práticas de financiamento indireto de campanha, licitações sob medida e contratos com preços diferenciados das Indústrias Nucleares do Brasil (INB). De acordo com a publicação, o Ministério Público está investigando o caso e a INB seria um “feudo” do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral – condenado a 45 anos de prisão, e dos deputados Jorge Picciani (PMDB/RJ) e Washington Reis (PMDB/RJ). Conforme informações obtidas pelo site Sudoeste Bahia, Reis é um dos padrinhos do presidente da INB, João Carlos Derzi Tupinambá. Funcionário de carreira da INB, Tupinambá responde a três processos de improbidade administrativa no Tribunal de Justiça do Rio. Reis também é réu nas mesmas ações. O advogado de Tupinambá, Luiz Eduardo Cavalcante, afirma que seu cliente não foi condenado em nenhuma instancia. Procurada, a INB não se manifestou até a publicação desta matéria.

  • Odebrecht apresenta recibos de doações de R$ 4 mi ao Instituto Lula

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    26/09/2017 - 07:00

    A Polícia Federal anexou a inquéritos da Lava Jato, na última quinta-feira (21/09), recibos apresentados pelo empresário baiano Marcelo Odebrecht que indicam doações de R$ 4 milhões ao Instituto Lula. Os recibos referem-se a quatro doações – cada uma de R$ 1 milhão, de acordo com o jornal Folha de São Paulo. Também foi entregue uma troca de e-mails entre o empresários e executivos da empreiteira. As doações já haviam sido citadas por Marcelo Odebrecht ao juiz Sergio Moro, no depoimento do dia 4 de setembro. O empresário afirmou que os valores foram debitados da planilha “Italiano”, que, segundo ele, era uma espécie de conta de propina que mantinha com Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

  • Agências bancárias de Livramento de Nossa Senhora são recomendadas a cumprir “lei dos 15 minutos”

    Foto: Reprodução | Radio 88 FM Foto: Reprodução | Radio 88 FM
    25/09/2017 - 23:30

    As agências do Banco do Brasil, Bradesco e Caixa Econômica Federal localizadas no município de Livramento de Nossa Senhora foram recomendadas pelo Ministério Público do Estado da Bahia a adotar medidas que promovam a melhoria do atendimento ao público, conforme determina a Lei Municipal 1.292/2014. No documento, encaminhado aos gerentes das agências bancárias, o promotor de Justiça Millen Castro recomenda que, no prazo de 15 dias, proceda-se a afixação de cartaz com as informações previstas no art. 4º, da referida lei, em local visível ao público. Além disso, que seja disponibilizado, a cada dia, número de caixas suficiente para manter o fluxo de atendimento em tempo não superior a 15 minutos. Em datas de pagamento de aposentados, pensionistas, servidores públicos e vencimento de contas de concessionárias ou recebimento de tributos o tempo de espera poderá chegar a 30 minutos. Os gerentes das agências também foram recomendados a orientar os funcionários responsáveis pelo atendimento ao público, inclusive nos caixas, que as senhas de controle são individuais e cada cliente atendido deve apresentar a sua própria. Segundo o promotor de Justiça, foi constatado o atendimento de vários clientes com a mesma senha em uma agência local, o que demonstra a possibilidade de mais de uma pessoa estar usando o mesmo registro de controle. Millen Castro recomendou ainda que seja determinado aos funcionários que somente atendam, mediante apresentação de senhas preferenciais, os usuários idosos, gestantes e pessoas com crianças de colo ou necessidades especiais. Outra orientação foi no sentido de que as agências disponibilizem bebedouro e banheiro para uso dos clientes.

  • Rio de Contas: Ministério Público determina que prefeito exonere esposa, irmão e outros servidores da administração municipal

    Foto: Marcelo Aguiar | Sudoeste Bahia Foto: Marcelo Aguiar | Sudoeste Bahia
    25/09/2017 - 10:12

    O Ministério Público, através do promotor de Justiça Millen Castro, determinou ao prefeito de Rio de Contas, Cristiano Cardoso de Azevedo, que proceda com exonerações imediatas referentes a um Termo de Ajustamento de Conduta firmado, conforme o que determina a Sumula Vinculante de nº 13 do Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com a determinação, deve ser exonerada, em 10 dias, a esposa do prefeito, Mariana Cotrim Pires de Azevedo, da função de Secretária de Assistência Social; do cargo de procurador Geral do município o advogado Adão Alves de Castro, pai de uma vereadora, e ainda um tio do próprio Adão Castro, Olavo Neto da Silva Moreira, lotado na coordenadoria da secretara de Esportes e Lazer; por um prazo de 60 dias, o irmão do prefeito, o médico Paulo César Cardoso de Azevedo; a diretora Geral do Hospital, Renata Ramos de Oliveira, filha da secretária municipal de Educação; Rebeca da Silva Reis, titular da secretaria de Gabinete, cunhada da secretária de Saúde; e Rosana Ribeiro Bonfim Medeiros, da pasta de Oficial Administrativo, que é esposa de um vereador. A procuradoria do MP justifica que as nomeações atentam contra os princípios da legalidade, moralidade e eficiência, que devem nortear o agente público.

  • Operação da PF apura esquema liderado por ex-prefeita, filho e ex-secretário no sudoeste da Bahia

    Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia Foto: Marcos Oliveira | Sudoeste Bahia
    Por Vílson Nunes & Marcos Oliveira

    21/09/2017 - 10:43

    Na manhã desta quinta-feira (21/09), a Polícia Federal (PF) e a Controladoria-Geral da União (CGU) deflagram a Operação Inflet, que apura a autuação ilícita da ex-prefeita de Apuarema, no sudoeste da Bahia, Lene Ribeiro; do seu filho, Iago Novaes, ex-secretário de Administração da cidade; ex-servidores e servidores da prefeitura. O esquema contou ainda com o auxílio da ex-supervisora de Educação e da ex-chefe do Setor de Acompanhamento de Programas de Assistência ao Estudante. Segundo a PF, eles desviavam recursos federais do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB). De acordo com as investigações, diversos servidores públicos municipais eram contratados formalmente por salários muito superiores à complexidade da atividade desempenhada. Os valores, ao invés de depositados diretamente em suas contas bancárias, eram depositados nas contas de outros servidores previamente aliciados, os quais tinham a incumbência de sacá-los e repassá-los à própria ex-prefeita ou a outros integrantes do esquema criminoso. A partir daí, segundo a PF, a maior parte era apropriada ilicitamente pelos investigados, e apenas pequena parte era efetivamente repassada, em espécie, ao servidor. Chamou a atenção o fato de que as remunerações desviadas chegavam a ser infladas em até oito vezes, tomando-se por base o valor efetivamente pago. A operação cumpre 5 mandados de busca e apreensão e 14 de condução coercitiva na cidade de Apuarema. A PF informou que os investigados responderão pela prática do crime de responsabilidade previsto no art. 1º, inciso I, do Decreto-Lei nº 201/67, sem prejuízo de outros que restarem evidenciados até o final das investigações. Quanto ao nome da operação, Inflet é o termo em latim que significar inchar, inflacionar, portanto, uma referência ao procedimento utilizado para o desvio das verbas públicas.

  • Maioria do STF vota por enviar 2ª denúncia contra Temer à Câmara

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    20/09/2017 - 22:30

    A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta quarta-feira (20/09) a favor do envio da segunda denúncia apresentada pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot sobre o presidente Michel Temer à Câmara dos Deputados. Eles seguiram o voto do relator, Edson Fachin, que rejeitou pedido feito pela defesa de Temer para que o processo fosse suspenso ou devolvido à Procuradoria-Geral da República (PGR). Fachin entendeu que cabe ao STF encaminhar a denúncia sobre o presidente diretamente à Câmara dos Deputados, conforme determina a Constituição Federal, sem fazer nenhum juízo sobre as acusações antes da deliberação da Casa sobre o prosseguimento do processo no Judiciário. "A Câmara dos Deputados realiza juízo predominantemente político de admissibilidade de acusação enquanto ao STF compete realizar o juízo técnico-jurídico. Entendo que o juízo político a ser efetivado pela Câmara dos Deputados deve preceder a análise jurídica por parte do STF", disse Fachin. A maioria foi alcançada com o voto dos ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Alexandre de Moraes e Dias Toffoli. 

  • Justiça aceita denúncia na Operação Zelotes, e Lula vira réu pela sétima vez

    Foto: Fernando Bizerra Jr. | EFE Foto: Fernando Bizerra Jr. | EFE
    19/09/2017 - 20:05

    O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal, aceitou nesta terça-feira (19/09) denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com isso, é a sétima vez que Lula se torna réu: são quatro casos na Justiça Federal do Distrito Federal e três na do Paraná. Na denúncia do Ministério Público Federal (MPF), assinada pelos procuradores Frederico Paiva e Hebert Mesquita, Lula, o ex-ministro Gilberto Carvalho e mais cinco pessoas foram acusadas de envolvimento em corrupção para aprovação da MP 471, editada no segundo mandato do ex-presidente. Lula e Carvalho foram denunciados por corrupção passiva. Três lobistas - José Ricardo da Silva, Alexandre Paes dos Santos e Mauro Marcondes Machado - e dois empresários - Paulo Arantes Ferraz (da MMC, que monta veículos da Mitsubishi) e Carlos Alberto de Oliveira Andrade (do Grupo Caoa, que monta veículos da Hyunday) - foram denunciados por corrupção ativa. Na decisão, o magistrado argumenta que há elementos suficientes para a abertura de uma ação penal. Para ele, está “demonstrada a plausibilidade” das alegações contidas na denúncia em face da “circunstanciada exposição dos fatos tidos como criminosos” e a “descrição das condutas em correspondência aos documentos” levantados no inquérito da Polícia Federal. O juiz explicou ainda que a peça de acusação atende aos requisitos do Código do Processo Penal, descrevendo “de modo claro e objetivo” os fatos imputados aos denunciados.

  • Dodge quebra promessa e tira procuradores da Lava Jato, diz revista

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    16/09/2017 - 19:43

    A nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, não cumprirá a promessa de manter na força-tarefa da Lava Jato integrantes que se dispusessem a continuar no grupo após a saída de Rodrigo Janot do comando da Procuradoria. De acordo com a revista Época, Dodge, que toma posse do cargo nesta segunda-feira (18/09), excluirá da Lava Jato, em portarias publicadas durante a semana, os procuradores Rodrigo Telles e Fernando Antonio de Alencar, após ambos manifestarem intenção de permanecer nas investigações. Além de participar de quase todos os casos da Lava Jato na PGR, Telles destacou-se por liderar investigações contra o senador José Agripino, presidente do DEM e aliado do presidente Michel Temer. O democrata foi acusado de pedir propina de R$ 1 milhão a um empresário que tinha contratos com o governo do Rio Grande do Norte, seu estado natal. O caso tramita em sigilo, por decisão do ministro Ricardo Lewandowski, relator do processo no Supremo Tribunal Federal (STF). Incomodado com o trabalho de Telles, o senador teria pedido, inclusive, sua cabeça a Janot no começo do ano, o que foi negado, de acordo com a publicação. Após ser escolhida por Temer para substituir Janot, Dodge anunciou como seu vice o procurador Luciano Maia, primo de Agripino.

  • Barroso autoriza novo inquérito contra Temer no STF

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    12/09/2017 - 18:10

    O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), aceitou o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para abrir inquérito sobre a suposta participação do presidente Michel Temer em irregularidades no chamado "decreto dos portos". Em gravações, o próprio Temer e seu antigo assessor especial, o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), falam da edição de decreto que trataria da exploração de portos. Há suspeita de que houve pagamento de propina. "De tudo o que até aqui se viu, há razoabilidade em a PGR considerar haver nos autos elementos suficientes para a instauração de inquérito. (...) Basta, para tanto, a presença de indícios plausíveis de materialidade", apontou o ministro, em despacho assinado nesta terça-feira (12/09). Apesar de o pedido de investigação ter sido feito por Janot, caberá a Raquel Dodge, que assume na próxima semana a chefia da PGR, conduzir o inquérito. A indicação de Dodge ao cargo de procuradora-geral da República foi feita pelo presidente Michel Temer e referendada pelo Senado.

  • Justiça Federal suspende acordo de leniência da J&F

    Foto: Michel Filho | Agência O Globo Foto: Michel Filho | Agência O Globo
    11/09/2017 - 17:55

    O acordo de leniência do grupo J&F foi suspenso por decisão do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, nesta segunda-feira (11/09). A suspensão é valida até que o Supremo Tribunal Federal (STF) dê o veredito sobre a validade da delação dos executivos do holding, que controla a JBS. O magistrado reconsiderou a homologação depois que se tornou público o áudio em que os empresários Joesley Batista e Ricardo Saud conversam sobre infrações que não tinham sido denunciadas durante o primeiro trato da dupla, que foi presa temporariamente neste domingo (10/06). Os “fatos supervenientes [na gravação] possuem repercussão imediata” na leniência – acordo celebrado pela pessoa jurídica sob a notificação de uma eventual nulidade da delação –, o que desencadeou o cancelamento.

  • Joesley Batista e Ricardo Saud se apresentam à PF após terem prisão decretada

    Joesley Batista - Foto: Aloísio Mauricio | Foto Arena Joesley Batista - Foto: Aloísio Mauricio | Foto Arena
    10/09/2017 - 17:25

    Um dos donos da JBS, o empresário Joesley Batista, e o executivo da empresa Ricardo Saud se apresentaram na sede da Polícia Federal, na Lapa, Zona Oeste da cidade de  São Paulo, às 14h05 deste domingo (10/09), depois que o relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, acatar seu pedido de prisão. Batista saiu da casa do pai, no bairro do Jardim Europa às 13h45, rumo à Polícia Federal, e Saud deixou seu apartamento no Morumbi, também na Zona Sul. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, fez o pedido ao STF nesta sexta-feira (08/09). Com a autorização de prisão pelo relator, o acordo de delação premiada firmado entre a JBS e a Procuradoria-Geral da República deve ser rescindido. Isto porque o termo de delação prevê que o acordo perderá efeito se, por exemplo, o colaborador mentiu ou omitiu, se sonegou ou destruiu provas.

  • Fachin envia denúncia contra Lula e Dilma à 1ª instância

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    09/09/2017 - 15:47

    O ministro Edson Fachin, relator da Lava-Jato no Supremo tribunal Federal (STF), determinou a transferência do inquérito que investiga os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e o ex-ministro Aloizio Mercadante por obstrução de justiça para a primeira instância. O caso estava no STF porque também eram investigados os ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Francisco Falcão e Marcelo Navarro Ribeiro Dantas, além do ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo. Janot pediu o arquivamento do inquérito em relação a essas pessoas, por falta de indícios mínimos contra elas. Fachin concordou. O procurador-geral também pediu que o processo permanecesse na corte, já que havia ligação com fatos investigados em outro inquérito aberto no tribunal. Fachin negou, com a explicação de que não havia mais ninguém com direito ao foro especial no inquérito. Na primeira instância, os processos têm um tempo médio menor de duração do que no STF. A acusação formal de Janot por obstrução de justiça foi feita na última quarta-feira (06/09), um dia depois de o procurador-geral da República ter denunciado Lula, Dilma e outras seis pessoas por formar uma organização criminosa enquanto o PT ocupou a Presidência da República - no âmbito de um outro inquérito que tramita no STF. 

  • PF prende Geddel após descoberta de 'bunker' com R$ 51 milhões

    Foto: Reprodução | TV Bahia Foto: Reprodução | TV Bahia
    08/09/2017 - 07:27

    Agentes da Polícia Federal, que estiveram na manhã desta sexta-feira (8) na residência de Geddel Vieira Lima (PMDB), levaram o ex-ministro após pedido de prisão preventiva do Ministério Público. De acordo com o portal G1, o peemedebista baiano deixou o prédio pouco depois das 7h, no banco de trás de uma viatura da PF, e chegou ao aeroporto Luiz Eduardo Magalhães cerca de meia hora depois. A PF não informou para onde o ex-ministro será levado. A prisão de Geddel ocorre após a Polícia Federal apreender R$ 51 milhões em um apartamento ligado ao ex-ministro. O peemedebista já cumpria prisão domiciliar após as investigações da Operação Cui Bono. Além de Geddel, uma outra pessoa foi presa nesta manhã e três mandados de busca e apreensão foram cumpridos. Segundo justificativa do pedido, a prisão é para evitar “a destruição de provas imprescindíveis à elucidação dos fatos”.

  • Para evitar prisão preventiva, Mantega propõe acordo à PGR

    Foto: Reprodução Foto: Reprodução
    01/09/2017 - 19:24

    O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega propôs ao Ministério Público Federal no Distrito Federal um acordo para colaborar com as investigações da Operação Bullish, de acordo com informações do jornal Estadão. Os advogados de Mantega propuseram que ele esclareça alguns fatos investigados e colabore com as investigações e, em troca, não seja alvo de um pedido de prisão preventiva. A Bullish foi deflagrada em maio deste ano e investiga aportes bilionários do Banco Nacional de Desenvolvimento (BDNES) nas empresas do Grupo J&F, de Joesley Batista. Mantega foi citado pelo executivo durante a delação premiada firmada por ele com a Procuradoria-Geral da República. O acordo, acertado com o procurador Ivan Marx, precisa ser homologado na 10.ª Vara Federal em Brasília.